ASSISTA OS NOSSOS PROGRAMAS

domingo, 21 de março de 2010

PROVE amplia atendimento para Campo Limpo e Capão Redondo

Resultados dos atendimentos de 2009 apontam que no ambulatório as vítimas de assalto são as que mais procuram por tratamento do estresse pós-traumático

O PROVE - Programa de Atendimento e Pesquisa em Violência, da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, ampliou sua atuação. Além do trabalho no ambulatório do programa na Vila Clementino, que consiste no atendimento psiquiátrico e gratuito de pacientes com estresse pós-traumático, o trabalho foi ampliado para as regiões do Campo Limpo e Capão Redondo, ambas em São Paulo.

Nessas novas regiões, a atuação do PROVE se dá por meio do atendimento psiquiátrico de crianças e jovens, que trabalham e vivem praticamente nas ruas, sem frequentar a escola, além de seus familiares. Esse trabalho é uma parceria do PROVE com o Projeto Virada, idealizado pelo Instituto Rukha. Desde sua implementação, em 2008, mais de mil atendimentos foram realizados no Campo Limpo e Capão Redondo pelos profissionais do PROVE.

O Projeto Virada tem por objetivo retirar as crianças e jovens do trabalho nas ruas e apoiar seu ingresso, permanência ou retorno às escolas, além de inseri-los em programas de educação complementar. Em paralelo, as respectivas famílias são conscientizadas, recebem auxílio financeiro e são encaminhadas para projetos que viabilizem sua autonomia econômica e social.

Antes de iniciar o atendimento, o PROVE realizou uma pesquisa nessas duas localidades, para traçar o perfil da saúde mental de crianças entre 7 e 14 anos. Das 191 crianças participantes, 67% estavam no limite para desencadear algum distúrbio mental e 27% delas foram diagnosticadas com algum transtorno psiquiátrico.

“O trabalho com a população do Campo Limpo e Capão Redondo é muito gratificante. Com ele temos a chance de contribuir para a melhora da saúde mental das crianças e jovens, o que poderá ser um fator determinante para seu equilíbrio psicológico na vida adulta”, destaca Marcelo Feijó, psiquiatra e coordenador do PROVE.

Já no ambulatório do PROVE, a exemplo do levantamento de 2008, as vítimas de assalto continuaram a liderar a lista de atendimento. No total elas correspondem a 28% dos atendimentos feitos pelo programa, de maio a novembro de 2009. Em 2008 os dados apontavam que as vítimas de assalto respondiam por 25% do trabalho executado no PROVE.


As pessoas envolvidas em sequestro, que em 2008 somavam 8% dos pacientes no ambulatório, nas estatísticas de 2009 passaram a 13%. A boa notícia vem da diminuição dos atendimentos relativos a assassinato familiar, cujo número caiu de 19% em 2008 para 12% em 2009. A prevalência feminina na procura pelo tratamento continua, sendo que em 2009 elas representaram 68% dos atendimentos.

Nesse mesmo período de 2009 os eventos mais relatados foram o TEPT – Transtorno de estresse pós-traumático, com 65% dos relatos; seguidos do TDM – Transtorno Depressivo Maior, 30%; e Pânico, 18%. Em relação à continuidade do tratamento, 58% permanecem em atendimento no ambulatório, 13% abandonaram o tratamento e 10% dos pacientes tiveram alta.

No ambulatório de crianças e adolescentes do PROVE, 27 pacientes foram atendidos em 2009. Os eventos mais relatados nesse departamento foram: assassinato de familiar, 22%; abuso sexual (ou suspeita), 18%; assalto (vivido ou presenciado), 15% e violência doméstica (vivida ou presenciada), 15%.
O estresse pós-traumático
O estresse pós-traumático é um transtorno de ansiedade decorrente de uma situação de trauma. Ele pode se manifestar nas pessoas de maneiras distintas, como a lembrança frequente do trauma ou o esquecimento completo do evento. Outros indivíduos evitam reviver situações que lembrem o trauma. Entre os principais sintomas estão a aceleração dos batimentos cardíacos, suor excessivo e insônia.

Ao vivenciar eventos traumáticos, a pessoa deve procurar ajuda especializada, para evitar que o quadro se torne crônico. A partir do tratamento adequado, que pode ou não incluir o uso de medicamentos, e acompanhamento de um médico, a melhora é significativa, com chances de cura completa.

Sobre o PROVE
O PROVE - Programa de Atendimento e Pesquisa em Violência, é um centro assistencial, de ensino e pesquisa, vinculado à Unifesp – Universidade Federal de São Paulo. Sua missão é atender gratuitamente as vítimas de violência, assaltos, sequestros e situações que envolveram risco de morte.

O ambulatório do PROVE assiste com psicoterapia em grupo ou individual e, se necessário, com medicamentos, as pessoas com quadros psiquiátricos decorrentes de violência e traumas. Entre as principais patologias tratadas no PROVE estão o transtorno de estresse pós-traumático e o transtorno depressivo em adultos e crianças. O trabalho é especializado e inclui estudos clínicos que possibilitem uma compreensão mais abrangente sobre estas patologias.

Serviço
PROVE – Programa de Atendimento e Pesquisa em Violência
Atendimento psiquiátrico e psicológico gratuito às vítimas de violência
Endereço: Rua Botucatu, 431
Telefone: (11) 5549-4374


Para falar sobre o PROVE e temas relacionados ao estresse pós-traumático, sugerimos entrevista com Dr. Marcelo Feijó de Mello, psiquiatra e coordenador do programa
__________________________________________________________________________

Pfizer
Considerada uma das empresas mais diversificadas do setor farmacêutico, a Pfizer descobre, desenvolve, fabrica e comercializa medicamentos de prescrição e de consumo para Saúde Humana e Animal. A companhia oferece opções terapêuticas para uma variedade de doenças em todas as etapas da vida, com um portfólio que engloba desde vitaminas para gestantes e vacinas para bebês, até medicamentos para doenças complexas, como dor, câncer, tabagismo, infecções e doença de Alzheimer. Entre seus produtos, destacam-se Lípitor, Enbrel, Viagra, Sutent, Lyrica, Champix, Eranz, Centrum, Pristiq, Zyvox, Advil e a vacina Prevenar. Fundada em 1849 e instalada no Brasil desde 1952, a Pfizer é a indústria que mais investe em pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos, a partir de parcerias com profissionais de saúde, hospitais, governos e comunidades em todo o mundo. A companhia também mantém e acompanha projetos sociais voltados para educação e saúde no país.