Nossos Vídeos

sábado, 31 de julho de 2021

Autismo: saiba quais são os principais mitos sobre o Transtorno e o que dizem os especialistas em relação ao tratamento


Conheça a história de uma mãe com o filho autista e a visão de uma ativista, mulher, preta e autista que vive no dia a dia os desafios do TEA na sociedade



Grande parte dos materiais divulgados sobre o autismo na mídia brasileira vem carregado de conceitos generalistas que não fazem parte da realidade de indivíduos com TEA (Transtorno o Espectro Autista). Inúmeros mitos que são transmitidos pela sociedade e “achismos” em torno do comportamento de pessoas com autismo só reforçam estereótipos e preconceitos que dificultam ainda mais o processo de inclusão.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que há 70 milhões de pessoas com autismo em todo o mundo, sendo 2 milhões somente no Brasil. De acordo com o CDC (Centro de Controle de Doenças e Prevenção do governo dos EUA), estima-se que uma em cada 54 crianças apresenta traços de autismo. Como um número expressivo como esse poderia enquadrar tantos autistas dentro de características iguais de comportamentos, sem diferenciação? Quando falamos de autismo, falamos de um transtorno do neurodesenvolvimento que faz parte de um espectro, ou seja, que vão existir inúmeros indivíduos com características diferentes entre si, que necessitam de muito ou pouco suporte. Indivíduos que são seres únicos, e que devem ser tratados como tal, assim como qualquer ser humano

Especialistas da área, ativistas e mães de pessoas com TEA ganham voz para falar sobre o espectro, as características únicas, a neurodiversidade de pessoas com o transtorno, e desmistificar situações que reforçam ainda mais o preconceito. O que a causa autista necessita é de empatia e acolhimento, através da disseminação de informações verdadeiras, contribuindo para fazer a diferença na inclusão social das pessoas autistas.

Mitos e verdades sobre o autismo


Quantas pessoas já não ouviram falar que autismo é causado pela falta de afeto, provocado por vacina, algum tipo de alimento, que é uma doença, enfim, informações errôneas, sem embasamento científico, que são disseminadas e contribuem ainda mais com conceitos não verdadeiros em relação ao TEA.

A especialista Julia Sargi, Psicóloga e Analista do Comportamento - Supervisora ABA do Grupo Conduzir, comenta que a discussão sobre o tema do autismo vem como uma oportunidade para conscientizar a sociedade sobre o espectro e avançar na luta contra os preconceitos:

“O nosso papel como especialista é desmistificar e mudar a visão negativa em relação ao transtorno. Dessa forma, é esclarecido que o TEA não é uma doença (e isso já deixa claro que se a pessoa não é doente, não é necessária a busca e não existe possibilidade de cura), mas sim, uma condição de "diferença", em que pessoas que estão dentro do espectro possuem algumas características próprias que lhe trazem desafios. Com isso, o objetivo sempre será de incluir e integrar essas pessoas à sociedade, considerando e respeitando suas diferenças e necessidades. Além disso, é muito importante também para apoiar as famílias das pessoas com TEA, já que estão em constante luta pelo reconhecimento e cumprimento dos direitos que vêm sendo arduamente adquiridos, ampliando o conhecimento acerca do assunto entre as famílias, profissionais e a comunidade.”

E quando falamos sobre autismo, surgem também algumas afirmações comuns e errôneas de que os autistas são muito inteligentes, superdotados, bons com números, aprendem diversas línguas, entre outros mitos.

A especialista Julia Sargi, Psicóloga e Analista do Comportamento - Supervisora ABA do Grupo Conduzir diz que é importante enfatizar que o transtorno do espectro autista evidencia algumas características comuns, mas que cada indivíduo é único e apresenta suas próprias habilidades e dificuldades:

“Alguns indivíduos têm, sim, uma habilidade incrível para algo em específico, e muitas vezes isso pode se dar devido ao hiperfoco, ou seja, o interesse restrito por determinado assunto. Mas uma grande porcentagem das pessoas que se encontram no espectro apresenta déficits cognitivos significativos, que dificultam a aquisição de novos repertórios. Uma outra expressão, considerada mito, e que é muito comum de ouvir, é de que o autista "vive no seu próprio mundo", e que não gosta de estar com outras pessoas. A verdade é que a dificuldade na interação social é uma característica significativa muito comum aos indivíduos com autismo, mas isso não significa que eles não queiram se relacionar com outras pessoas, e sim que apresentam dificuldades em iniciar ou manter a interação, entender algumas regras sociais, entre outras habilidades que são extremamente importantes nas relações. E mais uma vez, precisamos olhar individualmente para cada um e entender qual a dificuldade e qual a motivação para se relacionar com os outros. Lembrando que isso representa uma parte do todo quando tratamos do espectro”

Josiane Mariano tem 36 anos, é mãe do Heitor, de 10 anos - diagnosticado com autismo aos 2 anos. Ela conta que já ouviu diversos absurdos ligados às causas do autismo e opiniões de pessoas em relação ao comportamento do filho:


A mãe Josiane com o filho Heitor, de 10 anos

“Já ouvimos de tudo, desde que era falta de estímulo e que se nós pais conversássemos mais com ele, ele se desenvolveria, inclusive opiniões como essas vindas até de médicos. Até mesmo alguns religiosos dizendo que ele ‘veio assim’ para pagar pelos pecados de outras vidas, assim como todos os deficientes desse mundo. Ou ainda frases de que ele são praticamente gênios, o que não é nem de longe verdade, no nosso caso. Conto até que meu filho aprendeu a ler muito cedo, com apenas três anos de idade, sozinho, sem nenhum estímulo, inclusive em inglês, mas ao mesmo tempo, aos seis anos ainda usava fraldas. A conta não fecha, entende? Cada família, cada filho é de um jeito”

No Transtorno do Espectro Autista todos os indivíduos têm potencial para aprender e desenvolver novos repertórios, e, para isso, basta saber a forma correta de ensiná-los. Ao serem observadas as variações/características dessas pessoas, algumas podem até ser interpretadas como vantagens competitivas e potencialidades. Há alguns indivíduos com TEA que possuem uma condição diferente (e rara) conhecida como ‘savantismo’ ou Síndrome de Savant, que é uma ‘grande capacidade intelectual’, entendida como genialidade, assim como conta a Psicóloga e Analista do Comportamento do Grupo Conduzir:

“Os ‘savants’, apesar de apresentarem uma inteligência acima da média e talentos notáveis em alguns aspectos, como por exemplo: realizar cálculos extremamente complexos ou registrar/memorizar centenas de livros, podem também apresentar dificuldades e limitações em outros, como dificuldades nos repertórios sociais ou de independência. Portanto, diante de tantas diferenças, vale ressaltar que a inteligência acima da média não é uma regra, e que queremos esclarecer justamente que o mais importante, de fato, é considerar as condições e particularidades de cada indivíduo, entendendo seus déficits e potencialidades, não para que o indivíduo com TEA deixe de ter características do transtorno ou para que se torne um gênio, e sim para ajudá-lo a ter uma melhor qualidade de vida, bem-estar e poder ser compreendido e amado da forma como ele é.”

A mãe Josiane Mariano relembra que o dia a dia com o filho é vivenciado de “pequenos orgulhos”, e isso torna a caminhada cheia de superações e vitórias:

“Todos os dias quando avançamos um passinho rumo a uma qualidade de vida melhor, quando ele aceita experimentar algo novo, quando se sente à vontade em locais que antes talvez despertasse uma agitação maior, quando responde a uma interação social de forma adequada, por exemplo, temos um grande sentimento de vitória. Meu filho, assim como qualquer filho para uma mãe, me enche de orgulho. E eu só conheço ele dentro do espectro autista, não existe um Heitor dissociado disso, ele é assim e está tudo bem.”

Capacitismo, ativismo e autismo


O termo “capacitismo” tem sido disseminado e utilizado nos meios de comunicação, assim como nas redes sociais, para falar sobre a discriminação e preconceito social em relação às pessoas com deficiência. Em sociedades capacitistas, a ausência de qualquer deficiência é visto como “o normal”, e pessoas com alguma deficiência são entendidas como exceções; a deficiência é vista como algo a ser superado ou corrigido, se possível por intervenção médica.

Polyana Sá tem 20 anos, é estudante de engenharia de bioprocessos e biotecnologia na UFPR (Universidade Federal do Paraná), ela é autista e foi diagnosticada aos 16 anos. Polyana faz acompanhamento psicológico desde os 12 anos, antes mesmo do diagnóstico. Ela conta que é ativista da causa autista e utiliza as redes sociais para desmistificar informações errôneas sobre o TEA e disseminar informações para a sociedade, o que tem ajudado muitas pessoas que são diagnosticadas a lidarem com o transtorno:

“As pessoas tendem a fazer generalização do que é o autismo, a partir dos estereótipos, dos que são divulgados e propagados, no caso: autista homem, branco, que ou exige uma grande necessidade de apoio substancial ou se enquadra no quesito de altas habilidades. E toda vez que você tem uma pessoa que sai dessa linha e não segue a conformação dessa ‘caixinha’ que nos é criada, então, a sociedade dá uma travada, para e pensa: mas essa pessoa é autista mesmo? Nesse questionamento, em vez das pessoas procurarem se informar mais a respeito do TEA, e saber que existem vários indivíduos autistas, de todas as formas, jeitos e maneiras que você possa imaginar, as pessoas continuam propagando mitos e absurdos que ouviram para as outras pessoas. É justamente assim que o capacitismo se constrói, aumenta e ganha dimensões que são fora do normal. Coisas simples e comportamentos que podem ser desfeitos pela informação. Basta a pessoa querer se informar. Por isso, procuro estudar sobre, me conhecer mais e divulgar para as pessoas.”

Polyana Sá – autista e ativista


Polyana é amparada por lei como uma pessoa com deficiência e sempre busca ir atrás dos seus direitos. Na Universidade onde estuda, possui um aluno tutor. É também palestrante e fala sobre a interseccionalidade de raças:

“Todas as vezes que faço palestra, eu gosto de dizer que as pessoas pretas com deficiência e que buscam ter voz na sociedade são pessoas que não se submetem ao sistema. Porque todos os dias existe uma estrutura social que faz com que pessoas como nós não queiram existir ou sintam vergonha disso. Então, quando você tem uma pessoa que é mulher, preta, com deficiência, empoderada, e que fala sobre o assunto, é uma vitória, é você ir justamente ao contrário do que te ensinam desde que você nasceu. E dizer às pessoas que mulheres, autistas, pretas existem, e que somos várias, mas que muitas vezes não somos notadas. Nós, autistas, temos muitas caras, jeitos, formas e você vai encontrar autistas de muitas maneiras e que continuam sendo assim. Então, muito complicado lidar com a questão do capacitismo, tanto em pessoas que se encontram com grande necessidade de apoio substancial e tanto em pessoas com pouca necessidade de apoio substancial (como é o meu caso), mas todos estamos ali, no mesmo espectro.”

Autismo tem cura?


Muito tem se disseminado sobre a “cura do autismo”, reforçando o mito de que se trata de uma doença. Sem contar que é possível encontrar profissionais vendendo “fórmulas mágicas” e soluções para cessar ou diminuir o transtorno. Mas já se sabe que isso não existe. São falsas informações que devem ser desmentidas e rebatidas por toda a sociedade, meios de comunicação e especialistas da área. O que se tem são intervenções que ajudam a desenvolver e/ou aprimorar repertórios importantes que vão auxiliar os indivíduos no espectro a terem melhores condições para interações sociais e habilidades para atingir o máximo de independência possível e qualidade de vida.

“Não existem estudos que comprovam a cura do diagnóstico por meio de qualquer tratamento, e qualquer afirmação diferente a essa pode gerar confusão e expectativas frustradas aos pacientes e seus responsáveis. Porém, a Análise do Comportamento Aplicada (ABA) é uma intervenção que maximiza o potencial do indivíduo, através da ampliação de habilidades e redução de possíveis barreiras comportamentais que podem dificultar o aprendizado, tendo em vista que, a partir da avaliação, é possível mapear e respeitar a singularidade de cada um", explica Julia Sargi.

Orgulho Autista


Polyana Sá tocando ukulele -
um dos hobbies preferidos
A ativista Polyana Sá comenta que enxerga muitos desafios pela frente em relação à inclusão e à luta pelos direitos dos autistas, mas entende e acredita que aos poucos a sociedade tem caminhado no sentido pela busca da informação real e empatia em relação à causa autista:

“Essa causa para mim é muito importante. Todos os dias temos que bater no peito e dizer: eu sou autista, e sociedade, vocês precisam entender e conviver com isso, porque eu não vou mudar, eu não preciso mudar, eu não preciso ser diferente. E eu acho muito bonito essa expressão de autoamor, de reconhecer os semelhantes e dar apoio para as outras pessoas que estão em processo de diagnóstico, para os familiares que têm toda a trajetória com os filhos. Precisamos de visibilidade e muito engajamento. Dentro do movimento, falo por mim, que se você é autista, não existe nada de errado com isso.”

A mãe Josiane Mariano finaliza:





“A chave ainda é a informação, é necessário que conheçam melhor sobre algo que é tão complexo como o espetro todo, de que os autistas são diferentes, não são uma ‘receita de bolo’, de que não fazem tratamentos para se ‘curarem’ (isso muitos pais ainda precisam trabalhar internamente) ou serem ‘iguais’ aos outros. Mas fazemos para proporcionar melhor qualidade de vida aos nossos filhos dentro de suas especificidades. E nossos filhos são como são e isso não é ruim: é a mais pura diversidade!”


Na foto: Heitor em um dos passatempos prediletos: brincando com jogos no tablet



INFORMAÇÕES - GRUPO CONDUZIR

O Grupo Conduzir possui uma equipe especializada de profissionais das áreas de Psicologia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional e Psicopedagogia que oferece um atendimento multidisciplinar, sempre com base teórica, treinamento e supervisão analítico-comportamental. Proporciona aos seus clientes o desenvolvimento de suas habilidades por meio de práticas baseadas em evidência.

O foco de trabalho da equipe de profissionais do Grupo Conduzir é o atendimento de crianças, adolescentes e adultos com transtornos do neurodesenvolvimento, sobretudo as que se enquadram nos Transtornos do Espectro Autista (TEA).

Para mais informações sobre o Grupo Conduzir, acesse:

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Aplicativo Lady Driver: Segurança no transporte para a mulher ir e vir



Uma pesquisa, feita pelo IBGE e publicada em maio de 2021, alegou que 7,5 milhões de mulheres já sofreram alguma forma de violência sexual na vida. Com base nesse dado, é possível concluir que 60% das vítimas vivenciaram consequências psicológicas, como depressão e ansiedade, em decorrência da agressão. Ir e vir nem sempre é uma tarefa fácil para as mulheres, muitas delas evitam lugares e até meios de transportes a fim de evitar violências, abusos. Por isso, novas possibilidades têm surgido a favor do universo feminino, e uma delas é a Lady Driver.

A Lady Driver é um modelo de negócio que traz veículos dirigidos por mulheres, com o intuito de ajudar a passageira a ir e vir com segurança durante seu dia a dia. A confiança de se locomover em um veículo conduzido por uma motorista feminina dá a elas a certeza de que podem ser levadas por alguém que tem empatia por suas dificuldades.

“Eu observei, em meu dia a dia, como as mulheres deixavam de fazer suas atividades diárias por medo de serem assediadas ou, até mesmo, de sofrerem violências piores. Os noticiários cada vez mais trazem notícias não muito positivas sobre esse assunto. Porém, ao criar o modelo de negócio do Lady Driver, percebi que era não só uma grande oportunidade de negócio, mas também um serviço de utilidade pública, permitindo que a mulher tenha liberdade para ir e vir e, assim, conquistarem seus sonhos”, explica Gabryella.

Ana Paula é usuária do Lady Driver há um ano. Ela afirma que o uso do aplicativo lhe deu confiança para frequentar eventos e ter uma melhor qualidade de vida.

“Eu tinha medo de voltar de madrugada de um evento especial. Eu não dirijo e seria obrigada a pegar veículos conduzidos por homem, o que me gerava muita ansiedade. Já ouvi histórias verdadeiramente ruins sobre abusos em táxis e outros tipos de veículo. Eu mesma já desisti de sair diversas vezes por isso”, Ana.

A startup, que tem operação na cidade de São Paulo e em 60 cidades brasileiras, conta com mais de 65 mil motoristas cadastradas, tem uma base de mais de 1,5 milhão de passageiras em sua interface. Fundada por Gabryella Corrêa, em março de 2017, a Lady Driver também apresenta um diferencial interessante, tendo como modelo de negócio o estilo franquia.

Apesar de se inspirar em franquia, o modelo adotado pela Lady Driver é bem diferente de outras presentes do mercado: na startup, o sistema funciona por meio do licenciamento entre a empresa e o empreendedor. Empresários que possuem interesse em levar a plataforma de transporte para sua cidade ficam responsáveis pela área comercial do negócio, enquanto a Lady Driver cuida do restante.Ana também se beneficiou com o uso do aplicativo. Além de empreender, a motorista do aplicativo viu a oportunidade de ajudar as mulheres a ter autoconfiança, autoestima e segurança.

Vale ressaltar que, dentro desse modelo, a grande vantagem para as motoristas se cadastrarem na Lady Driver é que não é preciso pagar taxas mensais, ou seja, todos os ganhos da empresa provêm de um percentual de cada corrida feita dentro do aplicativo.

O licenciamento da Lady Driver varia de acordo com a quantidade de habitantes. Atualmente já esta em mais de 60 cidades e pretende chegar a 100 cidades até o fim de 2021.Ao acessar a página de licenciamento, é possível baixar o plano de negócios e a proposta oferecida pela empresa ao empreendedor. Não só isso, a Lady Driver disponibiliza todo o suporte técnico necessário e ainda um treinamento para que o licenciado entenda tudo da ferramenta de marketing e das campanhas da empresa.

Lady Driver

Foi criada após a fundadora em 2018 , Gabryella Corrêa, sofrer assédio de um motorista em um carro que chamou por aplicativo. Após o ocorrido, Gabryella decidiu que não queria mais ver mulheres passando a mesma situação. Por este motivo, lançou a empresa que tem o propósito de oferecer segurança e liberdade para todas as mulheres se locomoverem pelas cidades. Atualmente o Lady Driver conta com 1,5 milhão de passageiras e mais de 80 mil motoristas. Agora passa a contar com modelo de franquias em 60 cidades. Além de contar com um braço específico para o transporte de crianças, o Lady Kiddos.

Para mais informações, acesse: www.ladydriver.com.br

quinta-feira, 29 de julho de 2021

MTur abre inscrições de cursos de idiomas para estudantes e trabalhadores do turismo





Período vai até o dia 8 de agosto e refere-se às vagas remanescentes ofertadas a guias e condutores de parques



Está aberto, até o dia 8 de agosto, o prazo para que estudantes e profissionais do setor turístico se inscrevam em vagas remanescentes dos cursos de qualificação em inglês e espanhol ofertados pelo Ministério do Turismo. A iniciativa, desenvolvida em parceria com o Instituto Federal do Tocantins (IFTO), tem o objetivo de capacitar os trabalhadores de todo o país e aprimorar o atendimento a turistas estrangeiros que visitam os destinos brasileiros. Ao todo, 3,8 mil vagas foram ofertadas, primeiramente para guias de turismo e condutores de parques.


O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, destacou o impacto que a qualificação terá no setor turístico, principalmente neste momento de retomada. “A qualificação destes e de outros profissionais do nosso setor é essencial para que possamos levar os turistas estrangeiros a uma das melhores experiências turísticas do mundo. O nosso país tem potencial para isso e, com a participação de todos os trabalhadores, tenho certeza de que atingiremos o mais breve possível”, disse.


Os cursos têm carga horária de 200h e apresentam uma matriz curricular inovadora, com temas transversais que serão adaptados aos idiomas, aproximando-se da realidade profissional dos estudantes. As aulas gravadas serão disponibilizadas na plataforma Moodle do IFTO. Já as aulas ao vivo serão ministradas via web conferência, uma vez por semana.


Durante o curso, o estudante desenvolverá competências profissionais, tais como: conhecer, interpretar e aplicar o vocabulário básico e o vocabulário específico da área do turismo; desenvolver a comunicação interpessoal, intercultural, usando palavras e expressões em Língua Espanhola e Língua Inglesa que atendam às suas necessidades profissionais.


Além do IFTO, as qualificações contam com o apoio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), da Federação Nacional dos Guias de Turismo (Fenagtur) e do Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Alto Paraíso-GO.

quinta-feira, 8 de julho de 2021

Sabesp e Fundação Amazônia Sustentável se unem para conservar a Amazônia



Clientes da concessionária paulista poderão fazer doações em suas contas mensais

O Governador João Doria anunciou nesta terça-feira (8) uma parceria inédita entre a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e a Fundação Amazônia Sustentável (FAS), que atua no Amazonas em apoio às populações ribeirinhas e indígenas. As duas instituições querem criar um movimento de valorização da Amazônia para manter a floresta em pé e atuar com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das populações ribeirinhas e povos indígenas. 

O que se espera do acordo é que as ações planejadas contribuam com a preservação da floresta, evitando o aumento do desmatamento. “Se não tomarmos iniciativas, como essa que a FAS e a Sabesp consagram neste momento, nos arrependeremos. Nosso futuro depende de iniciativas como essa. Se depender de São Paulo, dos brasileiros de São Paulo e de todos que vivem aqui, vamos cuidar da floresta e também de quem cuida da floresta. São lições de vida, lições da natureza e lições do amor. É o que estamos fazendo aqui: uma lição de proteção à vida, à vida da natureza e à vida humanitária, à vida de todos nós”, destacou o Governador.

Para concretizar a parceria, a Sabesp vai incentivar doações voluntárias de seus clientes por meio da conta de água e esgoto. Todos os clientes dos 375 municípios atendidos pela Companhia em São Paulo poderão colaborar. Além da sensibilização da população, a parceria visa contribuir para o alcance da agenda 2030, especificamente no que se refere aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS 6 (água potável e saneamento), 13 (combate às mudanças do clima) e 15 (vida na terra).

O diretor-presidente da Sabesp, Benedito Braga,  lembra que a importância da Amazônia vai além de sua região geográfica. “Ela tem relevância para o Brasil e para todo o planeta. O que estamos fazendo com esse acordo histórico é criar a possibilidade para que a Sabesp e a população paulista contribuam para sua preservação e para melhorar a qualidade de vida das pessoas que cuidam da floresta”. 

A partir da assinatura do memorando de intenções entre Sabesp e FAS, começam a ser definidos os mecanismos que permitirão as doações, as transferências dos recursos arrecadados e o sistema de prestação de contas das instituições envolvidas. As doações poderão ser feitas de forma totalmente voluntária a partir desta quarta-feira (9). A base da Sabesp tem aproximadamente 9 milhões de contas de consumidores, que serão potenciais doadores.

“Esta parceria representa um marco histórico e importante no que diz respeito à valorização dos serviços ambientais providos pela floresta amazônica para o restante do Brasil. A Sabesp reconhece a importância da Amazônia no sistema de circulação de água da América do Sul”, afirmou Virgílio Viana, superintendente geral da Fundação Amazônia Sustentável (FAS).



Como doar

Para participar, o cliente da Sabesp fará a adesão e a opção pelo valor que deseja doar no Sabesp Fácil, que pode ser acessado pelo Aplicativo Sabesp Mobile (Android e iOS) ou pela Agência Virtual (www.sabesp.com.br). Esse valor será inserido na próxima conta com a descrição “Doação”. A Companhia fará a arrecadação e, mensalmente, transferirá os valores para a Fundação para a execução dos projetos, visando à preservação da floresta e consequentemente dos recursos hídricos. Todos os meses, a Sabesp publicará em seu site relatórios de prestação de contas.

domingo, 30 de maio de 2021

Resposta aos filhos da nova década


João Guilherme Sabino Ometto*


Em 2021, nascerão 140 milhões de crianças no mundo, sendo 2,5 milhões no Brasil. Já no primeiro dia de 2021, a Terra recebeu 371.504 habitantes, os primeiros filhos da década que se inicia. Em nosso país, foram 6.935. Os dados são do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Multiplicam-se, portanto, os desafios e a responsabilidade da civilização de prover vida de qualidade às presentes e às novas gerações, em um cenário econômico abalado pela Covid-19, que aumentou a pobreza, empurrando cerca de 150 milhões de pessoas para patamar abaixo do nível da miséria, segundo estimativas da ONU.

Os números mostram que, apenas com o crescimento vegetativo de 2,5 milhões de habitantes, teremos no Brasil um novo contingente equivalente à população de Belo Horizonte (MG). A comparação dimensiona a premência de promovermos amplo processo de inclusão, recuperação de empregos perdidos, geração de novos postos de trabalho e retomada do crescimento econômico em níveis mais elevados do que antes da pandemia.

Temos, assim, compromissos relevantes a serem cumpridos, que incluem, necessariamente, um plano eficaz de vacinação de nosso povo contra o novo coronavírus, essencial para a normalização plena das atividades. São inadiáveis, também, as reformas estruturais, como a tributária e administrativa, fundamentais para destravar investimentos, proporcionar mais equilíbrio fiscal e viabilizar a expansão do PIB. E em grau compatível com nosso potencial demográfico, de recursos naturais, do agronegócio e de setores industriais e de serviços que, apesar de todos os obstáculos, são bem-estruturados e competentes. É de se esperar, assim, que a Câmara dos Deputados e o Senado, que contam com novas mesas diretoras este ano, o Executivo e o Judiciário trabalhem de modo mais sinérgico e assertivo para o bem maior do País.

Afinal, a retomada do crescimento econômico em níveis capazes de resgatar do desalento os cerca de 14 milhões de desempregados e de prover educação, trabalho digno e melhor vida às presentes e futuras gerações exigirá políticas públicas eficazes. Temos plenas condições de vencer os desafios da nova década, promovendo a inclusão socioeconômica dos brasileiros, por meio de um projeto eficaz de desenvolvimento sustentado.

Possuímos indústria sólida e meios privilegiados para cultivar alimentos sem desmatar. Somos um dos líderes mundiais na produção de etanol e o sétimo país em energia eólica, que agora será impulsionada com a geração off shore. Estamos entrando de maneira competitiva na solar e dispomos de recursos hídricos abundantes. Basta, agora, inteligência para trabalhar em um modelo que proteja o ambiente e gere renda para a população. Numa perspectiva de responsável otimismo, temos tudo para ser um dos líderes globais na agenda ambiental e na retomada da economia, respondendo de maneira muito competente a essas duas demandas prioritárias da humanidade.

Muitos haverão de alegar as dificuldades de se realizar, em plena pandemia, o que não temos conseguido fazer de modo eficiente nas últimas décadas. Porém, é nas grandes crises que as nações têm a oportunidade de demonstrar sua verdadeira capacidade de mobilização, luta, reação às adversidades e poder de superação. Está na hora de o Brasil tornar-se sujeito de sua própria história e protagonista global.


*João Guilherme Sabino Ometto é engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - EESC/USP), empresário e membro da Academia Nacional de Agricultura (ANA).

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

Adylson Godoy, Marcos Valle e Marcelo Jeneci comemoram aniversário da Bauru na ViradaSPOnline

 

Adylson Godoy - Pianista e compositor,
nasceu em Bauru em 1939 e é irmão de
outros dois grandes pianistas:
 Amilton e Amilson Godoy. 
Marca presença no cenário musical com
 suas composições populares e eruditas;
 fez história quando atuou
 fortemente na fundação do ECAD
com empenho para garantir os direitos
 autorais de compositores em todo o Brasil.
Shows de Marcelo Jeneci e Marcos Valle marcam a 5ª #ViradaSPOnline de 2021, transmitida pela plataforma #CulturaEmCasa

Evento deste final de semana vai apresentar ao público a diversidade cultural da cidade de Bauru por meio de atrações locais, além de artistas nacionais, que se apresentam ao vivo no Teatro Sérgio Cardoso

Neste sábado, 06 de fevereiro, a plataforma #CulturaEmCasa transmite a 5ª #ViradaSPOnline de 2021. O evento, que é uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, com gestão da Organização Social Amigos da Arte, será realizado em parceria com a cidade de Bauru. A #ViradaSPOnline deste final de semana vai apresentar ao público a diversidade cultural da cidade por meio de diversas atrações que poderão ser conferidas a partir das 12h até à 0h. Ao vivo do Teatro Sérgio Cardoso serão realizados os shows do músico Marcelo Jeneci, do maestro, pianista, compositor e cantor Adylson Godoy, do compositor, arranjador e instrumentista Marcos Valle, além do espetáculo Parlapatões, com texto e direção de Hugo Possolo. O evento consolidou-se no calendário cultural do estado de São Paulo, reunindo grandes nomes de diferentes linguagens artísticas e divulgando a cultura local das cidades paulistas para todo Brasil.






Marcelo Jeneci

A apresentação do músico Marcelo Jeneci, considerado atualmente pelo público e pela crítica um dos maiores artistas da música brasileira, acontecerá às 16h30, e, nela, o artista volta às origens em seu terceiro álbum “Guaia”, ao homenagear o bairro em que cresceu, Guaianazes. O novo álbum conta com composições realizadas em parceria com Arnaldo Antunes, Chico César, José Miguel Wisnik, entre outros, além de ter na mixagem a assinatura de Mário Caldato, diretamente de Los Angeles.

Adylson Godoy

 
O show do artista Adylson Godoy, nascido na cidade de Bauru, será exibido às 14h. Além do set list com algumas canções como "Não Adianta", "Tristeza Que Se Foi" e "No Sentido do Sol", o público acompanhará uma narração de histórias e momentos chaves da vida do artista, como o início da sua vida educacional e musical a partir dos 10 anos de idade, o ambiente musical existente, tais como os principais clubes sociais e orquestras de Bauru, memórias de sua infância e convivência com craques do futebol, como Pelé e Toninho Guerreiro, principais conservatórios musicais em Bauru, mudança para a cidade de São Paulo e o desenvolvimento da carreira em 1962. 

Marcos Valle

O artista Marcos Valle, autor de mais de trezentas músicas gravadas por nomes como Sarah Vaughan, Chicago, Oscar Peterson, Diana Krall, Elis Regina, Edu Lobo, Roberto Carlos, entre outros, apresenta seu novo álbum intitulado “Cinzento”, às 21h30. Com texto e direção de Hugo Possolo o espetáculo Parlapatões traz o parlapatão Raul Barretto em um solo cômico recheado de jogos de improviso. A tônica da montagem de O Bricabraque é o envolvimento da personagem central com as crianças. A apresentação será às 12h30 e terá em sua narrativa com aventura, mistério, romance e mais.

A cidade de Bauru foi selecionada a partir de chamada pública realizada por intermédio do programa #JuntosPelaCultura. Localizada no centro do Estado de São Paulo, Bauru traz em sua essência múltiplas faces que a caracterizam como um polo cultural e esportivo. Para representar toda a riqueza cultural da cidade, a #ViradaSPOnline contempla em sua programação o teatro, expressão artística pulsante na cidade, o polo esportivo, no qual os times locais profissionais de futebol e basquete são uma referência nacional, a cultura cosmopolita da cidade, que recebe pessoas e atrações do mundo inteiro com os festivais, os pontos turísticos, o Teatro Municipal, o Circuito SP, dentre outros.

As atrações da #ViradaSPOnline que representarão a cultura regional e artística da cidade serão o espetáculo de bonecos da premiada artista local Mariza Basso, com a peça Pachamama, o espetáculo Clarões, da cantora Manu Saggioro, a performance teatral A Outra Madame Satã e uma pintura de graffiti em placa de MDF com técnicas de spray e látex, da grafiteira de Bauru, Mari Monteiro. Além destas atrações, o público assiste à uma entrevista com o Diretor Paulo Neves e uma ligação entre Bauru e a Capital de São Paulo com os famosos sanduíches do Bauru do Ponto Chic e o Bauru do Esquinão, representando um elo entre as duas cidades.

Já para ilustrar o Polo Esportivo, a programação do evento trará entrevistas com dois dois ídolos locais: o norte americano naturalizado brasileiro Larry James Taylor e Guilherme Deodato, dois nomes do basquete nacional que atuam na Associação Bauru e também na seleção brasileira. Ainda neste contexto, serão apresentadas as atrações locais JazzCob do Bandolim e João Biano e a apresentação do músico Gary Brown, diretamente do 544 Club, uma das mais prestigiadas casas noturnas da Bourbon Street, New Orleans. O set list do artista é centrado nos vários ritmos da música negra: jazz, blues, funk, soul e rhytm & blues - passando pelo reggae e o gospel.

Por fim, para apresentar cultura cosmopolita da cidade que recebe pessoas e atrações do mundo inteiro o evento trará a apresentação do artista Marcos Valle com participação de Patrícia Avi, às 21h30. Em seguida, a atração local Os Últimos Escolhidos do Futebol fazem um show inédito, gravado em um estúdio de Bauru, às 23h. Os cinco membros da banda apresentarão uma releitura do EP homônimo trazendo novas roupagens às composições. No repertório, estão canções como "Deixa", "Cordão" e "Hoje Não", além de comentários dos Últimos sobre a história das músicas. Para finalizar, às 23h40 terá o show de pagode com o grupo Negritude Junior, parte da programação já exibida no CircuitoSP.


Sobre a plataforma #CulturaEmCasa


A plataforma #CulturaEmCasa foi lançada no dia 20 de abril de 2020 pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. Seu objetivo é ampliar o acesso da população a conteúdos culturais de qualidade, 100% gratuito. Nos nove primeiros meses, registrou cerca de 2,9 milhões de visualizações e 2,2 mil conteúdos disponibilizados. A plataforma reúne também conteúdos inéditos das instituições da Secretaria, entre as quais a OSESP, a Jazz Sinfônica, a Pinacoteca, o Museu da Imagem e do Som, o Museu do Futebol, o Museu da Diversidade Sexual, a São Paulo Companhia de Dança e o Projeto Guri. O conteúdo também é gerado por instituições parceiras e por artistas e produtores culturais independentes, que são remunerados pelo licenciamento. Trata-se, portanto, de um instrumento de geração de renda e oportunidades para o setor cultural e criativo de São Paulo. Na plataforma também é possível acessar a programação especial, transmitida em novembro, mês da Consciência Negra. Entre as principais atrações estão o I Festival Cinema Negro em Ação, o lançamento do Museu Itamar Assumpção (MU.ITA), com show de Anelis Assumpção.

Realizado também pela plataforma, o Festival #CulturaEmCasa apresenta lives de artistas representativos da diversidade cultural de São Paulo, como Renato Teixeira, José Celso Martinez Corrêa, Supla, Sérgio Mamberti, Tom Zé, André Abujamra, Cássio Scapin, Erasmo Carlos, o pianista Marcelo Bratke, Paula Lima e Alaíde Costa, Digão (Raimundos), João Suplicy, Lucy Alves e Rodrigo Penna, Dom Salvador e Bavini.

Há também as lives do Intensivão #CulturaEmCasa. O Intensivão é uma série de aulas e palestras com temas diversos relacionados à arte e à criatividade. Já participaram nomes como Marcelo Tas, Débora Tabacof, Estéfi Machado, Ivam Cabral, Rita Von Hunty e Dona Jacira, Paulo Jackson (do Museu Catavento), Renata Lipia, William Coelho e Rogério Zaghi (Osesp), Moreira de Acopiara, Donny Correia, entre outros.

Ainda no formato live, a plataforma #CulturaEmCasa também lançou no dia 29 de junho de 2020, o programa #DiálogosNecessários, que reúne pensadores e profissionais de diversas áreas para reflexões plurais com abordagens diversificadas e antagônicas. Os encontros são moderados pelo ensaísta e professor de Literatura João Cezar de Castro Rocha e pelo jornalista Martim Vasques da Cunha. E de setembro a outubro, a plataforma exibiu o #SPGastronomia com lives de renomados Chefs, como André Boccato, Morena Leite e Mohamad Hindi.

ViradaSP Online - Bauru

12h: Pachamama

12h30: O BricaBraque - Parlapatões

13h30: Pinte como uma garota: Graffiti com Mari Monteiro

14h: Adylson Godoy

15h20: Clarões, com Manu Saggioro

16h: A outra Madame Satã

16h30: Marcelo Jeneci

18h: Gary Brown

20h: JazzCob do Bandolim

20h50: João Biano

21h30: Marcos Valle com participação de Patricia Alvi

23h: Os Últimos Escolhidos do Futebol

23h40: Negritude Júnior (Circuito SP Online)


Serviço:

Plataforma:
https://culturaemcasa.com.br/hotpage/viradaspbauru/

#culturaemcasa

sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

Antisséptico antiviral bucal pode conter avanço da Covid-19 no indivíduo


Pesquisa brasileira comprova eficácia do Antisséptico antiviral bucal como alternativa para conter avanço da Covid-19 no indivíduo


COM AUMENTO DOS CASOS DE COVID, FÓRMULA DESENVOLVIDA POR BRASILEIROS DE ANTISSÉPTICO BUCAL ANTIVIRAL TORNA-SE UMA SOLUÇÃO PARA CONTER O AVANÇO DO VÍRUS CAUSADOR DA COVID NO ORGANISMO

Com o aumento do número de casos de coronavírus e estimativa de uma segunda onda do vírus, a fórmula de um antisséptico antiviral bucal é uma alternativa comprovada para conter o avanço do vírus em 96%.

Um grupo de 60 pesquisadores brasileiros da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (Bauru), Instituto de Ciências Biológicas da USP, Universidade Estadual de Londrina e Instituto Federal do Paraná, desenvolveu uma fórmula com a base da tecnologia Phtalox.

Enquanto outras pesquisas similares têm sido feitas em laboratórios, as universidades seguiram com estudos em humanos, e foi comprovado que a fórmula é capaz de inativar, ao menos em 96%, a proliferação do vírus da Covid-19 na cavidade oral (região da boca), impedindo-o de avançar para o restante do organismo.

A pesquisa brasileira obteve reconhecimento Acta Cientific Dental Science - A Recommendation of Phtalox® Mouthwash for Preventing Infection and Progression of COVID-19, com os autores Fabiano Vieira Vilhena, Paulo Sérgio da Silva Santos, Bernardo da Fonseca Orcina, Lucas Marques da Costa Alves, Rodrigo Cardoso de Oliveira e Mariana Schutzer Ragghianti Zangrando. Também já foi publicado no ResearchGate., e os estudos aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do Ministério da Saúde, registrados no ReBEC – Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos e publicados na plataforma da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para garantir a comprovação científica, Dr. Fabiano Vilhena, pesquisador, Cirurgião Dentista Sanitarista e Doutor em Biologia Oral pela Universidade de Odontologia de Bauru – USP, especializado em desenvolvimento de produto, levou cerca de nove meses e envolveu seis etapas de estudos, com a participação de 107 pessoas. Desde março - quando se deram os primeiros casos oficiais de Covid-19 no Brasil - foram concluídos os estudos científicos: laboratoriais, séries de casos e estudos clínicos randomizados triplo cego.

“A higiene oral com um antisséptico bucal antiviral inativa o vírus na saliva por meio de um composto que ativa o oxigênio molecular. Ao inativar o vírus, o mesmo para de se espalhar pelo organismo. A tecnologia Phtalox® faz um bloqueio químico na orofaringe e impede a progressão da doença. Existe um caminho que o vírus da Covid-19 percorre. Ao entrar no organismo, ele vai para a glândula salivar, língua, amígdala e vias respiratórias e lá ele replica para o restante do organismo. A doença tem uma rota. Começa pelas vias superiores e vai para inferiores, além de ativar respostas imunológicas por todo o corpo”, explica Dr. Fabiano Vilhena.

Foi comprovado que a boca tem um papel significativo no processo de transmissão da SARS-CoV-2. Isso ocorre devido à disseminação de pequenas gotículas que torna a mucosa oral e orofaríngea alvos fáceis para o vírus ao inalar de partículas do ambiente. As evidências mostraram que é necessária uma intervenção precoce para diminuir a intensidade da carga viral. A lavagem da boca, nariz e garganta pode erradicar as partículas virais, reduzindo a carga viral em pacientes expostos ao vírus. O uso de enxaguatórios bucais para gargarejo pode ajudar a prevenir e tratar infecções respiratórias no trato superior e inferior.

De acordo com as pesquisas feitas com seres humanos, o Phtalox - um corante funcional bioativo - promove uma autoativação e produção contínua de oxigênio reativo na presença de oxigênio molecular. “Em todas as fases de pesquisa, o antisséptico bucal Phtalox® demonstrou atividade antimicrobiana (incluindo atividade virucida) associada à regeneração dos tecidos moles e redução do sangramento gengival”, explica Vilhena.

De acordo com o artigo da Acta, em um primeiro ensaio, os pacientes com teste positivo para Covid-19 apresentaram rápida recuperação após o uso do protocolo de bochechos Phtalox®, com redução de sintomas como dor de garganta, úlcera bucal e tosse. Esses pacientes tornaram-se assintomáticos após alguns dias de uso de antisséptico bucal antiviral.

Dados mais completos sobre a recuperação dos pacientes estão disponíveis no Social Science Research Network (SSRN) sob o título Phtalox® Mouthwash as An Option to Reduce Clinical Symptoms of Covid-19: Case Series. Este artigo já está entre os top 10 no SSRN.

O antisséptico antiviral bucal Detox Pro já está disponível no mercado, e a produção e distribuição estão sendo feitas pela Dentalclean, uma empresa 100% brasileira de saúde oral.

***


domingo, 6 de dezembro de 2020

PM contra PM: o jogo arbitrado pelo governador João Doria


(Associação dos Oficiais Militares do Estado de São Paulo em Defesa da Polícia Militar - DEFENDA PM)

PM aponta arma para outro durante discussão na Rua Santa Ifigênia,
no Centro de São Paulo (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Numa cena lamentável a céu aberto, em pleno centro comercial da maior capital do país, à luz do dia, dois policiais militares foram flagrados discutindo, estando um deles com a arma apontada para o rosto do outro!

As imagens de dezenas de celulares correram o mundo. A Polícia Militar do Estado de São Paulo, com quase 200 anos de história brilhante, tem sua imagem arranhada por um episódio inclassificável.

Boquiabertos, milhares de policiais militares perguntam-se: “Como chegamos a uma situação dessas?”.

A resposta é uma só: a panela de pressão explodiu!

E explodiu por conta dos mais de 20 anos de descaso, omissão e desvalorização crescente da Força Pública de São Paulo pelos caciques do PSDB, mais conhecido entre os policiais militares como o “Pior Salário Do Brasil”.

A receita nefasta é simples: primeiro, deixe de fornecer proventos dignos a um pai de família. Depois, ofereça a ele a única salvação possível: vender suas folgas para que possa alimentar os que dependem dele para viver.

Os dois policiais que protagonizaram a lamentável cena de hoje usavam colete refletivo, o típico adereço obrigatório dos policiais que fazem DEJEM e Atividade Delegada. Assim uniformizados, eles trabalham para o Estado e para os municípios em suas folgas.

Para compensar o salário de fome com que os contemplam os sucessivos governos do PSDB, milhares de policiais militares têm de recorrer ao “bico oficial”. Em vez de descansar, recompor as energias, conviver com a família saem para patrulhar as ruas e confrontar-se com marginais para melhorar a “ração” em casa.

O governo do PSDB tornou-se expert nisso, na exploração dos policiais militares ao extremo, extraindo deles suas vidas, sua sanidade, sua saúde, sua família.

A DEFENDA PM já criticou várias vezes este padrão, apresentou sugestões e nunca obteve respostas.

E agora, diante de um quadro como esse, pergunta: qual será sua atitude, excelentíssimo senhor General João Campos? Qual será sua atitude, governador João Doria?

Não varram para debaixo do tapete mais este episódio, como tantos outros que mostramos e pedimos a intervenção de vossas excelências!

***

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

O Troféu HQMIX chega à sua 32ª edição com força total, mesmo enfrentando a pandemia da Covid-19


Após passar pela banca do júri oficial, que trabalhou por quatro meses para analisar os inscritos nas diversas categorias, e pelo júri nacional de mais de dois mil profissionais da área de quadrinhos entre autores e editores, a organização do Troféu HQMIX divulga a lista dos ganhadores com os melhores de 2019.

A cerimônia deste ano será virtual e acontecerá no canal do YouTube da unidade do Centro de Pesquisa e Formação e nas redes sociais do Sesc SP, no dia 12 de dezembro, às 18h, com apresentação de Serginho Groisman, padrinho do evento, e da dupla Gual e Jal, criadores do troféu.

O desenhista homenageado como Grande Mestre é Miguel Paiva. Sua personagem "Radical Chic" foi a escolhida para a escultura do troféu deste ano. A cada ano um personagem brasileiro é homenageado. A escultura é do artista Wilson Iguti.

A novidade desta edição é que as categorias de "Novo Talento Desenhista” e “Novo Talento Roteirista" só serão reveladas durante a transmissão.


Serviço

Cerimônia de premiação do 32º Troféu HQMIX
Onde: Redes sociais do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP - YouTube
Quando: 18h
Grátis
Livre
youtube.com/cpfsesc
instagram.com/cpfsesc
facebook.com/cpfsesc



Lista dos ganhadores:

ADAPTAÇÃO PARA OS QUADRINHOS

- Travesti (Veneta)

ARTE-FINALISTA NACIONAL

- Shiko (Três Buracos)

COLORISTA NACIONAL

- Wagner William (Silvestre)

DESENHISTA NACIONAL

- Jefferson Costa (Roseira, Medalha e Engenho)

EDIÇÃO ESPECIAL ESTRANGEIRA

- O Eternauta 1969 (Comixzone!)

EDIÇÃO ESPECIAL NACIONAL

- Roseira, Medalha e Engenho (Pipoca & Nanquim)

EDITORA DO ANO

- Pipoca & Nanquim

EVENTO

- Butantã Gibicon

EXPOSIÇÃO

- Angola Janga de Marcelo D´Salete em Angola/Moçambique

LIVRO TEÓRICO

- Mulheres & Quadrinhos por Dani Marino e Laluña Machado

NOVO TALENTO – DESENHISTA (Será revelado na hora da premiação)

- Andre Luis da Silva Pereira (Tuhu e o Andarilho do Tempo)
- Brendda Maria (Cais do Porto)
- Deborah Salles (Viagem em volta de uma ervilha)
- Fabio Quill (Amálgama)
- Gio Guimarães (Hologramas)
- Gleisson Cipriano (Caçada Azul)
- Greg (O obscuro fichário dos artistas mundanos)
- Gustavo Novaes (A Cabana)
- Juliana Fiorese (Lenora)
- Natália Vulpes (A Casa da Lua Cheia)
- Renato Dalmaso (O Elísio: Uma Jornada ao Inferno)
- Victor Harmatiuk (Shimra)

NOVO TALENTO – ROTEIRISTA (Será revelado na hora da premiação)

- Al Stefano (Salseirada)
- Amanda Miranda (Tabu)
- Caru Moutsopoulos e Caroline Favret (A Cabana)
- Gabriela Antonia Rosa (Shimra)
- Guilherme Match (Kophee)
- Jefferson Costa (Roseira, Medalha e Engenho)
- Marília Marz (Indivisível)
- Mille Silva (Doce Jazz)
- Rafael Marçal (Filhote de Mandrião)
- Renato Dalmaso (O Elísio)
- Silva João (HQ de Briga)
- Eliane Bonadio (Hologramas)

PRODUÇÃO PARA OUTRAS LINGUAGENS

- Turma da Mônica: Laços - O Filme (Cinema)

PUBLICAÇÃO DE AVENTURA/TERROR/FANTASIA

- Gibi de Menininha 2 (Zarabatana)

PUBLICAÇÃO DE CLÁSSICO

- AKIRA 6 (JBC)

PUBLICAÇÃO DE HUMOR

- Hell, No! Bem-vindo ao inferno (Balão)

PUBLICAÇÃO DE TIRAS

- Batatinha Fantasma (Independente)

PUBLICAÇÃO EM MINISSÉRIE

- AKIRA 6 (JBC)

PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE DE AUTOR

- São Francisco

PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE DE GRUPO

- VHS - Vídeo Horror Show

PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE EDIÇÃO ÚNICA

- Último Assalto

PUBLICAÇÃO INFANTIL

- Como fazer amigos e enfrentar fantasmas (Independente)

PUBLICAÇÃO JUVENIL

- Tina – Respeito (Panini)

PUBLICAÇÃO MIX

- Mulheres & Quadrinhos (Skript)

ROTEIRISTA NACIONAL

- Daniel Esteves (Último assalto e Sobre o tempo em que estive morta)
- Fefê Torquato (Tina: Respeito)

WEB QUADRINHOS

- Bendita Cura

WEB TIRA

- Tirinhas do Silva João

PROJETO EDITORIAL

- Coleção Batman Noir (Panini)

PROJETO GRÁFICO

- Cartas para Ninguém (Padê)

RELEVÂNCIA INTERNACIONAL

- Sirlene Barbosa e João Pinheiro

MESTRE

- Miguel Paiva

GRANDE CONTRIBUIÇÃO DO ANO

- Exposição: O Pasquim 50anos

GRANDE CONTRIBUIÇÃO DO ANO

- Site “O Pasquim” Da Biblioteca Nacional

HOMENAGEM

- Cada Passo Importa

HOMENAGEM

- Ivan Freitas da Costa

HOMENAGEM

- 20 anos do Universo HQ

TCC

Leandro Carlos Blum. “Quadrinhos e matemática: algumas possíveis construções usando a imaginação”.

MESTRADO

Cátia Ana Baldoíno da Silva - “O tempo multidimensional nos quadrinhos: um estudo das estratégias narrativas em Here, de Richard McGuire”

DOUTORADO

Vinícius Rodrigues da Silva “Quadrinhos no Rio Grande do Sul: um momento decisivo – o humor gráfico em debate & as produções de Sampaulo, Santiago e Edgar Vasques na formação de um polissistema.”



Sobre o Troféu HQMIX

O Troféu HQMIX foi criado em 1988, pela dupla JAL e Gualberto Costa, no programa TV MIX, da TV Gazeta. O prêmio logo foi apadrinhado pelo então apresentador do programa, Serginho Groisman. A votação nacional é feita pela categoria dos desenhistas de HQs e Humor Gráfico, por meio da Associação dos Cartunistas do Brasil (ACB) e do Instituto Memorial das Artes Gráficas do Brasil (IMAG). No Blog https://blog.hqmix.com.br é possível conferir outras informações.



Sobre o Sesc São Paulo

Com 74 anos de atuação no estado e 40 unidades operacionais, o Sesc São Paulo (Serviço Social do Comércio) desenvolve ações com o objetivo de promover bem-estar e qualidade de vida aos trabalhadores do comércio, serviços, turismo e para toda a sociedade. Mantido pelos empresários do setor, o Sesc é uma entidade privada que atua nos âmbitos da cultura, esporte, saúde, alimentação, desenvolvimento infanto-juvenil, idosos, turismo social, entre outras frentes de ação. As iniciativas da instituição partem das perspectivas cultural e educativa voltadas para todas as faixas etárias, com o objetivo de contribuir para experiências mais duradouras e significativas. São atendidas nas unidades do estado de São Paulo cerca de 30 milhões de pessoas por ano. Hoje, aproximadamente 50 organizações nacionais e internacionais do campo das artes, esportes, cultura, saúde, meio ambiente, turismo, serviço social e direitos humanos contam com representantes do Sesc São Paulo em suas instâncias consultivas e deliberativas.


***



domingo, 8 de novembro de 2020

Pacientes compartilham experiências do diagnóstico e do tratamento do câncer de boca no SUS

Ministério da Saúde reforça a importância da prevenção e da detecção precoce da doença, mais comum entre homens


Adotar hábitos saudáveis como não fumar, ter uma alimentação equilibrada e rica em frutas e hortaliças, ir ao dentista regularmente e estar atento a feridas que não cicatrizam em 15 dias e a lesões suspeitas na boca. Essas são algumas das ações que fazem a diferença na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de boca, quinto tipo de câncer mais comum entre os homens no país, principalmente acima dos 40 anos.

Na Semana Nacional de Prevenção ao Câncer Bucal, que acontece no início de novembro, o Ministério da Saúde reforça a importância do diagnóstico precoce, que pode ser feito no Sistema Único de Saúde (SUS), de forma gratuita, na Atenção Primária à Saúde (APS).

Valdecir de Aguiar Silva, de 51 anos, teve sua vida salva ao procurar atendimento em uma unidade de saúde de São José do Rio Preto (SP). O motivo foi uma ferida na boca que não doía e não cicatrizava. Durante o acompanhamento, recebeu diagnóstico positivo para câncer de boca.

“Eu acredito que demorei muito para poder procurar o dentista, porque eu pensei que fosse uma afta. Se você vir alguma coisa diferente na sua boca, ou na sua língua, mesmo que até possa ser uma afta, dê mais atenção. Procure um profissional da área. Essa é a lição que eu tiro da doença”, conta Valdecir, destacando que realizou tratamento de radioterapia e quimioterapia pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Relato semelhante tem Carla Claudia de Rezende, de 47 anos. Ao perceber uma ferida na língua, buscou atendimento em uma Unidade Básica de Saúde (UBS). Após a confirmação do câncer de boca, precisou realizar procedimentos como a extração de alguns dentes, antes de passar por uma cirurgia e sessões de radioterapia.

“Os profissionais que me atenderam, médicos, enfermeiros, técnicos em radiologia, fizeram toda a diferença na minha recuperação. A agilidade que eles tiveram no meu caso foi essencial para que eu pudesse ter uma vida hoje”, relata sobre o atendimento.

Carla conta a lição que tirou após vencer a doença: “A gente nunca deve protelar, por menor que seja o que você esteja sentindo. Procure auxílio, procure orientação, procure ajuda, porque isso pode fazer diferença na sua vida”.

Tanto Valdecir como Carla foram encaminhados para o Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) Centro de São José do Rio Preto, que realiza o diagnóstico e encaminha para o tratamento adequado.

De acordo com a gerente do CEO de São José do Rio Preto, Heloísa Amélia Aparecida Garcia Amaral, “a Atenção Básica deve observar se o paciente, independentemente da idade, mas principalmente acima de 40 anos, tem manchas brancas, avermelhadas, feridas que não cicatrizam e nódulos irregulares, por exemplo. No CEO, em casos graves, a biópsia é feita no mesmo dia”, explica.

SAIBA MAIS

O câncer de boca pode aparecer nos lábios, língua, bochechas, céu da boca, entre outros locais da boca. No estágio inicial, pode ser confundido com aftas. Os sintomas começam a se manifestar com a evolução da doença, como úlceras que não cicatrizam, dor, crescimento da lesão e sangramento. A depender do curso e estágio da doença, as pessoas afetadas podem ter comprometimento de áreas da face, necessidade de cirurgia mais invasiva, eventual perda de dentes, rouquidão, dificuldade para engolir, entre outras consequências.

Os casos de câncer de boca são mais comuns em homens a partir dos 40 anos. Os principais fatores de risco envolvem o consumo de tabaco (cigarro, narguilé, cachimbos, charutos), de bebidas alcoólicas em excesso, exposição ao sol na região dos lábios sem proteção e infecção por HPV.

Os sinais mais evidentes de alerta são feridas nos lábios e na boca que não cicatrizaram após 15 dias, manchas e placas vermelhas ou esbranquiçadas na boca e sangramentos sem causa conhecida na cavidade oral. Caso o paciente identifique qualquer sintoma da doença, deve procurar atendimento médico-odontológico.

Mais de 80 mil dentistas atendem hoje pelo Sistema Único de Saúde (SUS), sendo mais de 53 mil na Atenção Primária à Saúde, atuantes nas equipes de Saúde da Família e Atenção Primária. Os profissionais estão preparados para fazer o diagnóstico correto e orientar a população sobre o tratamento.

***