Nossos Vídeos

terça-feira, 7 de abril de 2020

Dicas para os motoristas de app trabalhar em tempos de quarentena

JP Galvão, co-fundador da da Vai.Car reforça que medidas simples de higiene ajudam na prevenção contra contágio


São Paulo, março de 2020 - Em meio à pandemia do novo Coronavírus e a indicação de quarentena pela Organização Mundial da Saúde, muitos empresas liberaram seus colaboradores de trabalhar Home Office. Algumas profissões, porém, não conseguem utilizar a tecnologia a seu favor para performar de casa. Entre elas, os motoristas de aplicativos. Para que não precisem paralisar suas corridas, correndo o risco de diminuírem sua renda mensal ou ficarem muito suscetíveis ao vírus - já que esta tem sido uma modalidade bastante usada pelos brasileiros para evitarem transportes de grande aglomeração -, os motoristas precisam redobrar a atenção, pois trabalham por horas em um espaço fechado e lidam diretamente com um público rotativo que frequenta locais diversos como aeroportos e rodoviárias.


Diante deste cenário, JP Galvão, co-fundador da Vai.Car, principal plataforma de compartilhamento de carros no Brasil, listou algumas dicas de como os motoristas de app podem se prevenir durante a corrida. Confira:

1- Disponibilize álcool em gel nos carros: Devido a grande rotatividade de passageiro, JP Galvão recomenda que os motoristas disponibilizem álcool em gel nos carros tanto para uso pessoal, quanto para os usuários do transporte. Não tenha vergonha de sugerir ao passageiro que utilize o álcool;

2- Lave as mãos: É importante lavar as mãos com água e sabão durante diferentes períodos do dia, o que diminui as chances do vírus prosperar após o contato com uma superfície contaminada ou com um paciente infectado;


3- Use luvas para dirigir: Além do álcool e da higienização constante da mão, usar luvas é uma ótima dica, já que a mão estão sempre nos volantes, maçanetas câmbio, entre outros. Muitas vezes a correria do dia a dia pode fazer com que esqueça uma vez de usar o álcool, portanto a luva vai proteger de uma possível distração;

4-Cuidados ao tossir e espirrar: Sempre cubra a boca e nariz com o braço ao tossir e espirrar. Nunca com as mãos, que são um dos principais vetores ao contágio. Lenços descartáveis podem ser oferecidos a quem está no banco de trás, desde que sejam devidamente descartados posteriormente;

5- Deixem as janelas do carro abertas: Ambientes fechados são mais propícios para a circulação de agentes infecciosos como os vírus. É recomendável, portanto, manter a ventilação com os vidros abertos ou mesmo com o ar-condicionado (o modo de recirculação, ativado no botão com uma setinha giratória, não é recomendado neste caso).

Vale ressaltar que é importante manter a manutenção do ar-condicionado: os filtros acumulam sujeira e, se não forem devidamente higienizados periodicamente, são locais favoráveis para o desenvolvimento de vírus, fungos e bactérias;

6- Evite contato físico: Durante a corrida, evite manter contato próximo com o passageiro aos inícios e términos das viagens;

7- Higienize partes dos veículos: Ao finalizar seu dia de corridas, faça a higienização dentro do veículo, como o volante, câmbio, maçanetas e bancos;

8- Uso de máscara no carro: Especialistas em saúde pública afirmam que adquirir uma máscara só é recomendável a quem está infectado com o vírus ou que se mantém um contato próximo com o paciente, mas se estiver resfriado ou com tosse, utilize a máscara para evitar propagação e confusão de sintomas. Todo cuidado é importante neste momento;;

Para finalizar, JP ainda recomenda: “Se, mesmo tomando essas precauções, o motorista parceiro ou passageiro apresentarem sintomas parecidos com o de uma gripe, como febre, cansaço, tosse seca, dores no corpo ou dor de garganta, procure a unidade de saúde mais perto.”

Sobre a https://vai.car/

Criada em Miami, a Vai.Car, principal plataforma de compartilhamento de carros no Brasil, foi fundada em 2016 pelos brasileiros JP Galvão, Fernando Fiuza e pelo canadense Apoorv Gupta. No Brasil, a empresa foi lançada em 30 de novembro de 2017, sob o comando de Helio Netto, executivo com 30 anos de experiência no segmento de locação de carros.

Dentre as principais vantagens do serviço da Vai.Car estão o cadastro simplificado 100% pelo aplicativo, carro entregue na porta da casa, sem taxas escondidas, sem limite de quilometragem e ainda com facilidades na forma de pagamento. Além de cartão de crédito, a empresa aceita boleto bancário ou dinheiro. Para alugar um veículo na Vai.Car é preciso fechar um aluguel mensal com opção de pagamento semanal.

Vai.Car – Acesse http://www.vai.car ou baixe o aplicativo para iOS na Apple Store e Android na Google Store

CORONAVÍRUS - COMO RECEBER O AUXÍLIO EMERGENCIAL




Medida do governo federal tem o objetivo de ajudar as categorias de trabalho mais vulneráveis durante a crise econômica causada pelo coronavírus

Os MEIs (microempreendedores individuais), trabalhadores que não têm carteira assinada, autônomos, desempregados e contribuintes individuais da Previdência poderão se registrar para receber o auxílio emergencial de R$ 600 anunciado nesta terça-feira, 7 de abril, pelo Governo Federal. A cidade de São Paulo conta com mais de 770 mil MEIs que deverão consultar a disponibilidade do benefício.

A iniciativa tem como objetivo ajudar as categorias de trabalho mais vulneráveis em meio à crise econômica gerada pela pandemia do coronavírus. A lei federal que cria o auxílio prevê o pagamento por ao menos três meses a trabalhadores de baixa renda sem emprego formal ou com contrato intermitente inativo.

A Caixa Econômica Federal disponibilizou um site e um aplicativo para que os trabalhadores informais, autônomos e MEIs solicitem o auxílio emergencial de R$ 600. Aqueles que já recebem o Bolsa Família, ou que estão inscritos no CadÚnico - Cadastro Único, não precisam se inscrever pelo aplicativo. Para estas pessoas o pagamento será feito automaticamente.






A Caixa Econômica também disponibilizou o telefone 111 para tirar dúvidas dos trabalhadores sobre o auxílio emergencial.


Requisitos para MEIs solicitarem o auxílio

· Ser titular de pessoa jurídica MEI - Microempreendedor Individual;

· Estar inscrito no CadÚnico para Programas Sociais do Governo Federal até o último dia 20 de março;

· Cumprir o requisito de renda média (renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa, e de até 3 salários mínimos por família) até 20 de março de 2020;

· Ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social;

Para mais informações, acesse o site do Governo Federal: www.gov.br


Orientações para empreendedores

A Ade Sampa, agência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho da Prefeitura de São Paulo, está atendendo os empreendedores da capital por meio de telefone, whatsapp e e-mail, tendo em vista que as unidades do Cate e das Subprefeituras estão fechadas.

Pelos canais de atendimento, o empreendedor consegue tirar dúvidas sobre emissão de nota fiscal e outros documentos, além de fazer a formalização do seu negócio como MEI – Microempreendedor Individual.

A Ade Sampa iniciou também uma parceria com o Banco do Povo, programa de microcrédito do Governo do Estado de São Paulo, para realizar o teleatendimento a empreendedores na divulgação da nova linha de crédito de R$ 25 milhões para micro e pequenas empresas enfrentarem os efeitos econômicos da pandemia de coronavírus. A equipe técnica orienta sobre as linhas de microcrédito, condições e processos para cadastramento do pedido de crédito. Já o Banco do Povo será responsável pelo estabelecimento das linhas, análise e concessão do crédito.


Confira todas as orientações que são oferecidas:


· Formalização do MEI - Microempreendedor Individual;
· Declaração Anual do Simples Nacional;
· Alteração de CNAE -Classificação Nacional de Atividades Econômicas;
· Cancelamento do cadastro do MEI;
· Parcelamento do DAS - Documento de Arrecadação do Simples Nacional;
· Emissão da senha Web;
· Configuração de Nota Fiscal Paulista;
· Consulta do CCM - Cadastro de Contribuintes Mobiliários, CCMEI - Certificado de Condição de Microempreendedor Individual e CNPJ
· Orientações sobre linha de crédito do Banco do Povo

Abaixo, confira os contatos dos agentes locais da Ade Sampa:

(11) 94284-6067
(11) 97148-8830
(11) 94548-9513
(11) 99335-0778
(11) 99449-1311
(11) 99708-5130

domingo, 5 de abril de 2020

Como agir para cancelar ou reagendar uma viagem?

Bárbara Gonçalves - CEO da UAU pelo Mundo


Planejei minha viagem e agora? O que fazer?


Estava tudo certo para a sua viagem dos sonhos, você já estava imaginando como seria aquele abraço no Mickey, e de repente o coronavírus (Covid-19) mudou os planos de todo mundo. Empresas aéreas cancelaram voos, parques temáticos fecharam as portas e o Dólar bateu 5 Reais. Parece o cenário de um “The Walking Dead”, mas não se desespere pois eu tenho boas notícias. Nem tudo está perdido. Com um pouco de calma e as dicas abaixo, você vai colocar a sua viagem nos trilhos e já pode começar a sonhar novamente.

1- Determine uma nova data para a sua viagem. Escolha algum mês no segundo semestre ou quem sabe ano que vem. Em 2021, a Disney, em Orlando, celebrará 50 anos de inauguração e tenha certeza que a festa será linda. Segundo o governo americano toda a situação do coronavírus provavelmente estará normalizada em meados de julho ou agosto.

2- Onde você comprou sua viagem? Agências de viagem estão fazendo um excelente trabalho auxiliando seus passageiros a remarcar as suas viagens. Eles têm um relacionamento muito melhor com as empresas aéreas e operadoras de turismo e podem interceder por você. Caso tenha comprado em grandes sites ou direto com a operadora não perca tempo. Vá direto ao ponto e diga que não quer cancelar a viagem e sim remarcar.

3- Caso a empresa aérea cobre multa por remarcação de voo informe-a que o Procon e o Ministério Público Federal já se pronunciaram sobre o assunto e recomendaram a remarcação sem taxas adicionais. Caso eles insistam você poderá entrar com um processo no juizado especial de pequenas causas com grandes chances de reaver o dinheiro com juros, multas e correção monetária. Inclusive o Presidente Jair Bolsonaro editou uma MP impondo que as empresas aéreas não poderão cobrar multas contratuais em caso de remarcação das passagens.

4- A Disney já se pronunciou e garantiu a remarcação de todos os ingressos e reservas de hotéis sem custo adicional. Isso vale para os parques da Universal. O Sea World ainda não se pronunciou, mas provavelmente adotará o mesmo procedimento.

5- Aproveite a quarentena para se informar e estudar sobre Orlando, os parques e estratégias de visitação. Isso irá ocupar seu tempo e manterá o sonho vivo.

Não deixe o sonho morrer. A sua viagem para a Disney ainda acontecerá e com certeza será muito mais mágica e encantadora. Se você estiver planejando viajar com crianças que tal escrever um bilhetinho para elas como se fosse o próprio Mickey, dizendo que ele está um pouco ocupado agora, mas que já já ele estará pronto para recebê-las na casa dele?

O que me diz? Vamos planejar os mínimos detalhes desta nova aventura? Você encontrará o Castelo da Cinderela ainda mais bonito e reformado, castmembers (funcionários) ainda mais felizes e empolgados e os personagens morrendo de saudades de ver o sonho de Walt Disney repleto de sonhadores. Afinal a Disney é sobre não deixar de sonhar, mesmo em tempos difíceis.

A importância da Vitamina D para o organismo


A Vitamina D é muito importante para o corpo humano, pois ajuda na absorção e fixação do cálcio, modulação da inflamação crônica, promove a manutenção dos osso e aumenta a imunidade. A maior fonte de absorção de Vitamina D – 90%, é proveniente da exposição ao sol. Por isso, aproveite ao máximo a exposição na parte da manha, preferencialmente antes das 10h da manhã, e sugerimos deixar os braços, pernas, pescoço e rosto expostos.

Além do sol, os outros 10% da Vitamina D vêm de alimentos, entre eles leite, ovos e peixes de agua fria são ótimas opções para quem procura uma fonte de vitamina D.

Na Clinica Benessere, apoiamos sempre uma alimentação saudável, equilibrada, e com os insumos necessários para deixar seu organismo em excelente estado.

sábado, 28 de março de 2020

Empreendedora tocantinese aposta no delivery para driblar crise do coronavírus nesta Páscoa



Jenny Barp adotou medidas para minimizar crise
Foto: Érica Lima

Com as medidas de isolamento, a entrega em casa se tornou peça chave para vendas

A crise do coronavírus e o isolamento social determinado pelas prefeituras caiu como uma bomba no comércio. As empresas do ramo alimentício - que estavam preparadas para a Páscoa, data muito importante para muitos micro e pequenos empreendedores - tiveram que se readequar para o momento.

Um exemplo é a empreendedora Jenny Barp, que há cerca de 6 anos trabalha com bolos e doces. Para ela, a Páscoa é uma das melhores datas datas do ano. Neste ano, ela como muitos brasileiros estão incertos com o que irá ocorrer. “Realizamos as compras do nosso estoque com uma certa antecedência para garantir melhores produtos e menor preço. Após as compras a crise do Coronavírus chegou. Estamos apreensivos mas estamos nos reiventando para passar pelo momento”, revela.

Entre as inovações para 2020, está o serviço de delivery. A empreendedora nunca tinha apostado nesse serviço. “Nossos clientes estão acostumados a vir aqui retirar o produto, mas precisamos ter cuidado neste momento. O delivery é bom para a nossa segurança e para o cliente que tem o mínimo de contato com o outras pessoas”, explica.

Jenny conta que outras medidas foram adotadas para maximizar as vendas neste momento de grande incerteza econômica. A principal delas, segundo a empreendedora foi a parceria com outras micro e pequenas empresas. "Fechamos parcerias com floriculturas e empresas que fornecem cestas e presentes. Dessa maneira, nosso produto está exposto mais vezes", finaliza.

COVID19 - 28/03 - Brasil registra 3.904 casos confirmados de coronavírus e 114 mortes

Todos os estados registraram casos e dez apresentaram óbitos: AM, CE, PE, PI, RJ, SP, GO, PR, SC e RS

Subiu para 3.904 os casos confirmados de coronavírus no Brasil. O número de óbitos também aumentou para 111. De acordo com informações repassadas pelos estados ao Ministério da Saúde, até as 16h deste sábado (28), as mortes estão localizadas nos estados do Amazonas (1), Ceará (4), Pernambuco (5), Piauí (1), Rio de Janeiro (13), Goiás (1), Paraná (2), Santa Catarina (1) e Rio Grande do Sul (2). São Paulo continua registrando o maior número de casos e de mortes, são 84 óbitos no estado.

Durante a coletiva, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, explicou que agora é um momento que o Brasil precisa se unir e andar na mesma direção para passar pela crise com o menor estrago possível. "Precisamos ter racionalidade e não nos mover por impulso. Vamos nos mover pela ciência, pela parte técnica, com planejamento e pensando em todos os cenários. Não podemos agir pensando individualmente, mas coletivamente. É hora da União, estados, municípios e população estarem bem alinhados para enfrentarmos juntos essa fase ruim", explicou Mandetta.

Prefeitura de São Paulo abre 720 vagas em enfermagem para Hospital de Campanha do Anhembi

Cate e Ade Sampa realizam pré-seleção on-line para empresa que gerenciará unidade voltada a pacientes com coronavírus

A Prefeitura de São Paulo abriu neste sábado, 28 de março, processo seletivo on-line para mais 720 vagas na área de enfermagem, sendo 504 para técnico de enfermagem e 216 para enfermeiro hospitalar. As inscrições encerram nesta segunda-feira (30), às 14h, ou até o preenchimento das vagas para os profissionais que irão trabalhar por 90 dias no hospital de campanha que está sendo construído no Complexo do Anhembi. Para se inscrever é necessário acessar o site www.tinyurl.com/hospitalanhembi e anexar o currículo atualizado.

Em virtude da urgência na contratação dos profissionais, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho disponibilizou, além dos técnicos do Cate – Centro de Apoio ao Trabalho e Empreendedorismos, analistas da Ade Sampa – Agência São Paulo de Desenvolvimento, para a análise dos currículos na primeira fase e encaminhamento para a entidade gestora do hospital, que realizará prova e entrevista presencial.

“Na primeira seleção, finalizada sexta-feira (27), em menos de 24 horas recebemos mais de 1.800 inscrições. Além dessas novas oportunidades, ainda existem vagas remanescentes para fisioterapeuta hospitalar, técnico de farmácia, técnico em gasoterapia e oficial de manutenção”, explica a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso.

Será exigida a formação completa em níveis técnico e superior em enfermagem e pelo menos seis meses de experiência na área hospitalar.

Durante o processo seletivo será informado o salário, benefícios e horários de trabalho para as equipes a serem formadas.

terça-feira, 3 de março de 2020

O futuro é das máquinas... ou dos super-humanos?



Robôs e inteligência artificial surpreendem cada vez mais por suas formas de interação e produção. Mas, em que medida, seremos substituídos por máquinas? Quais os desafios para o ser humano prevalecer e prosperar e, também, quais as habilidades a se desenvolver?






No século 21, a tecnologia promove mudanças profundas nos ciclos de produção. Assim, a grande questão é se nossas profissões vão continuar existindo ao longo dos próximos anos ou se, ao contrário, seremos substituídos por máquinas.

Esse dilema, típico da nossa era, motiva diferentes especulações, desencadeia, muitas previsões a respeito, e gera ansiedade, medos e resistência em muitas pessoas, sociedades e países. Muitos acreditam que o futuro é pior e que, por isso, temos que resistir à sua chegada! Será mesmo?

O McKinsey Global Institute estima que metade das tarefas inerentes ao mundo do trabalho já pode ser realizada por robôs. Já a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) vai além e aponta que, na grande maioria dos países participantes da organização, 47% das atividades laborais tendem a ser afetadas pela automação, sendo que robôs e computadores podem promover mudanças, ou mesmo, eliminar cinco em cada dez empregos.

Mas antes de se conformar com os desdobramentos dessa ameaça tecnológica, é preciso que nos lembremos de nosso maior trunfo. Ele vai muito além do poder que nos conferem as cem trilhões de conexões que turbinam nosso cérebro: reside no potencial de criar, imaginar, sonhar e no que talvez seja a conquista mais elevada do ser humano: a capacidade de empatia, de se colocar no lugar do outro.

Não vamos contrariar o fato de que Inteligência Artificial é, provavelmente, o maior evento da história contemporânea. Por outro lado, os robôs, até o momento, estão longe de substituir a nossa capacidade criativa e, principalmente, as habilidades humanas. Robôs são excelentes em “simular”, mas apenas nós, seres humanos, conseguimos “ser”.


Homo sapiens

Pode não parecer, mas Albert Einstein e Pablo Picasso têm muito em comum. O primeiro publicou, em 1905, artigos que deram origem à famosa teoria da relatividade. Dois anos mais tarde, o segundo concluiu o quadro Les Demoiselles d’Avignon, considerado o grande marco do cubismo.

Algo, porém, uniu ciência e arte: sim, a criatividade. Quem afirma é o filósofo e historiador inglês Arthur I. Miller. Segundo ele, tanto Einstein quanto Picasso teriam devotado a vida a esse potencial humano. Isto é, à possibilidade de produzir algo novo, mesmo que a partir de conhecimentos anteriores.

Segundo o psicólogo americano Dean Keith Simonton, a criatividade reside em diferentes níveis, que envolvem originalidade e utilidade. Assim, além dos gênios, esses seres humanos com potenciais raríssimos, que trazem à tona produções incrivelmente impactantes, temos também pessoas capazes de propor soluções úteis para os impasses do cotidiano. Todos podem, à sua maneira, transformar o mundo.

O poder da observação


Da queda da maçã, que levou Isaac Newton a desenvolver a Lei da Gravitação Universal, aos insights que culminaram em aplicativos que dão cabo de realizar quase tudo em nossos celulares, as maiores descobertas humanas têm como gênese a observação.

E ela pode ser esmiuçada em outras características humanas também impossíveis de programar: perceber, sentir e gerar satisfação. É por meio dessas habilidades que compreendemos o cenário que nos cerca, entendemos o que nos falta e tratamos de solucionar demandas variadas, nossas e dos outros. A própria história nos prova isso, em seus diferentes capítulos.

Inventamos a roda há milhares de anos para extravasar nossa criatividade com a cerâmica. Depois, por volta de 3,4 mil a.C., ela se transformou em peça essencial ao transporte. No século dezoito, fomos dos produtos artesanais para as fabricações em larga escala, que tiveram origem junto às primeiras aglomerações urbanas. Em 1969, levamos o homem à Lua. E, hoje vencemos patologias com nanotecnologia e nos debruçamos em estudos sobre células embrionárias.

Difícil prever o que vem pela frente. Nesse ponto, o leitor poderia dizer: “É fácil perceber o que nos trouxe até aqui”.

O método descartiano poderia ser revisado hoje e reescrito como: ‘pensamos, logo criamos’. E isso vale para máquinas e robôs baseados em Inteligência Artificial, além de microchips e tantos outros aparatos.

Que as máquinas irão tomar nossos lugares é uma crença comum. Mas será mesmo que a faculdade de “pensar” é que nos levou a “criar”? Não terá sido a capacidade de “perceber” e “sentir” -- sobretudo as necessidades e sentimentos nossas e dos outros?

A partir desse ponto, “criar” se torna um sinônimo de agir a serviço de melhorar a existência, própria e alheia.

Longe de apenas “pensar” -- algo que, claramente, as máquinas e a Inteligência Artificial vão, de fato, conseguir fazer melhor do que nós –, não há dúvidas de que o toque humano é o mais elevado atributo da nossa humanidade e o verdadeiro motor do progresso.

E é por isso que estamos ingressando numa época onde, diferente do que muitos acreditam, a obsessão pela tecnologia por si só não é o suficiente. Por exemplo, o foco em B2C ou em B2B está se provando que não é mais um valor absoluto, pois não garante o sucesso e a sobrevivência.

Provavelmente, o futuro seja mais favorável às pessoas e às empresas que coloquem o “toque humano” como prioridade nas suas agendas; essa sim, a maior garantia de um diferencial competitivo.

É que entendemos que, no fundo, por mais que a tecnologia participe no processo todo, ao final do dia, tudo se resume a H2H, ou human to human. Esse conceito, criado nos anos 2.000, traduz muito bem a ideia de que não existe condição necessária e mais importante do que a relação de humano para humano, sem a qual as metas de produtividade não seriam jamais alcançadas.

E sim, no plano “técnico”, por trás da máxima “penso, logo crio”, existe um fato inegável: robôs já ocupam muitos espaços. E podemos questionar se estamos no caminho certo.

A verdade é que existem indicadores que comprovam que as economias mais automatizadas e com grandes investimentos em tecnologia têm conquistado um maior PIB per capta. Dados demonstram que o investimento em robôs contribuiu para alavancar em cerca de 10% o PIB dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), na última década. E mais: pesquisa da London School of Economics em 17 países demonstra que as máquinas não roubam empregos e, em muitos casos, elas são até mesmo responsáveis por aumentar salários.

A inteligência artificial vai, certamente, eliminar várias profissões. Mas também será responsável por criar outras tantas. A consultoria McKinsey estima que 60 milhões de empregos industriais deverão ser substituídos por robôs até 2025, no mundo todo.

E é verdade que boa parte da humanidade trabalha hoje em tarefas simples, mecânicas ou cognitivas, que uma máquina poderá substituir.

O desafio das sociedades, então, estará em capacitar as pessoas com a velocidade suficiente para que possam se adaptar e evoluir dos empregos atuais para os novos que vão surgir e onde o “toque humano” seja o diferencial.

Mais uma vez voltamos ao pilar central de uma sociedade não só próspera, porém, também feliz. A resposta está na educação, eficaz e na direção certa, com foco nas ciências, porém, em particular, no reforço dos aspectos que tornam o humano realmente humano, nem animal, nem máquina.

Então, qual é boa notícia? Máquinas poderão nos substituir como forças “pensantes” em nível técnico, de processamento e de interpretação de dados, sim. Porém, não serão capazes de tomar nossos lugares como forças empáticas, sonhadoras, que a partir da percepção da carência e da dor -- própria e alheia -- poderão imaginar novas realidades. Afinal, elas trabalham e sempre vão trabalhar a nosso serviço.

A criatividade, a empatia, a capacidade de sonhar, de estender o nosso ser e abarcar o outro, o “toque humano” que nos move, caro leitor, é o que também nos mantém seguros. Por trás dos algoritmos e softwares complexos, estarão os seres humanos – ou seres super-humanos!

Artigo escrito por  Felipe Leonard, presidente e CEO da S.I.N. Implant System

Observatório da Gastronomia participa do Chocolat Festival 2020


Evento promove a participação de 70 expositores e mais de 50 marcas de chocolate


O Observatório da Gastronomia, colegiado vinculado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho participa entre 12 e 15 de março do Chocolat Festival, que será realizado no Pavilhão da Bienal do Ibirapuera, zona sul da capital. Com cerca de 70 expositores e mais de 50 marcas de chocolate, o evento é considerado o maior encontro de profissionais do segmento da América Latina.

“São Paulo conta atualmente com pouco mais de 370 mil profissionais no setor da alimentação nas mais variadas modalidades que a área possui. Eventos de grande repercussão, como o Chocolat Festival, realizados na cidade reforçam que SP é a capital da gastronomia, sendo um dos principais palcos para recepção de encontros como este”, explica a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso.

Com a estimativa de receber 30 mil visitantes durante os quatro dias, o evento promove exposições, cursos de capacitação, workshops e palestras ministradas por especialistas. A segunda edição do programa contará com o túnel Cabruca que é a simulação de uma plantação de café ao lado da Mata Atlântica. Ao adentrar o evento, o visitante terá acesso ao espaço que mostra a quebra do cacau, uma mini barcaça de secagem das amêndoas e um concho de fermentação.

“O Chocolat Festival surgiu para fomentar a profissionalização desse mercado relativamente novo no País. Temos, durante quatro dias, o maior evento profissional dessa área na América Latina, reunindo consumidores, especialistas e produtores, uma oportunidade para discutir a industrialização, a verticalização da produção e, consequentemente, a melhoria da qualidade das amêndoas de cacau selecionado e do produto final elaborado”, pontua Marco Lessa, idealizador do festival.

O Festival agrega ainda espaço de recreação e minicursos de confeitaria para crianças, a Cozinha Kids, além de exposição de esculturas de chocolate no Ateliê do Chocolate Harald. Os visitantes também poderão ter a experiência de vivenciar a história do cacau e do chocolate através de um passeio em realidade virtual oferecido pela Dengo Chocolates.

Os ingressos são vendidos no site oficial do evento, com valores que vão de R$ 20 para o acesso a Feira, até R$ 80 para a participação de oficinas e workshops. Crianças com até 4 anos não pagam entrada.


Sobre o Observatório da Gastronomia

Colegiado de articulação direcionado ao fortalecimento da cadeia da alimentação e da gastronomia. Trabalhando em conjunto com todos aqueles que atuam nesse setor, o Observatório visa potencializar os aspectos ligados à economia, cultura, segurança alimentar e sustentabilidade.

Vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho da Prefeitura de São Paulo, conta com a participação de órgãos e instituições municipais, associações, cooperativas, ONGs, instituições de ensino, sindicatos, chefs de cozinha, bares, restaurantes, empresas do setor de alimentação e de distribuição, comida de rua e produtores agrícolas.


Serviço

2º Chocolat São Paulo - Festival Internacional do Chocolate e Cacau
12 a 15 de março | Pavilhão da Bienal do Ibirapuera
Informações: www.chocolatfestival.com

segunda-feira, 2 de março de 2020

Frases machistas vão parar em papel higiênico



Nova campanha da marca FreeCô aborda o preconceito e coloca tweets machistas da internet em rolos de papel higiênico, para irem direto ao lixo


FreeCô, o primeiro bloqueador de odores sanitário do Brasil, inova mais uma vez com o lançamento da campanha #limpandopreconceito para comemorar o Dia Internacional da Mulher com bom humor e a ousadia de se posicionar contra o machismo. Desta vez, os inúmeros tweets machistas que propagam pela internet estarão impressos em rolos de papel higiênico para simbolizar o lugar para onde devem ir: o lixo, no caso.

A marca, criada em 2015, tem um histórico de atitudes voltadas à inclusão, que começou por meio do mote Todo Mundo Faz. A FreeCô estreou sua primeira campanha de comunicação com grandes personalidades que assumiam publicamente o fato de também fazerem o número 2, como todo ser humano. Adriane Galisteu foi a protagonista e a comunicação ganhou a simpatia do público e de outros grandes nomes que gostaram da ideia de falar abertamente e sem constrangimento sobre algo que é natural ao ser humano e não deve ser tratado como um tabu. De cara, a ação recebeu mais de 10 mil curtidas e sete mil compartilhamentos, isso em apenas 15 dias de campanha, dando início a abordagem do assunto com naturalidade. Porta dos Fundos e Diva Depressão também foram palco de campanhas ousadas da marca em prol do fim do constrangimento quanto ao número 2. Celebridades e o público em geral tem mostrado forte adesão aos temas propostos pela marca para discussão. O próprio Fabio Porchat comentou sobre os filmes gravados com o Porta dos Fundos:

Sempre pautada na comunicação digital, a marca tem hoje cerca de 110 mil seguidores nas redes que compactuam do posicionamento vanguardista da mesma. A campanha #limpandopreconceito elegerá um bar de grande frequência de público em São Paulo, onde alguns dos papéis higiênicos com tweets machistas impressos serão distribuídos e abastecerão também os banheiros. Uma equipe de filmagem abordará mulheres e homens para apurar a opinião dos mesmos sobre o preconceito e gravar um vídeo para homenagear homens e mulheres cuja opinião prime pelo respeito mútuo, sem distinção a todo ser humano. O objetivo da marca com esta ação é aproveitar sua força nas redes sociais e disseminar ao máximo a ideias contra o machismo e preconceitos em geral.

Hoje, quatro anos depois do lançamento, FreeCô atingiu o patamar de Scale-Up, empresas que integram o seleto grupo de startups que crescem mais de 20% ao ano, por três anos consecutivos e com altíssimo potencial de aceleração. Entre 2015 e 2018, a empresa atingiu crescimento de 11.700%. Em 2019, a empresa cresceu 150% em relação ao ano anterior e a previsão é continuar dobrando o crescimento por, pelo menos, dois ou três anos.