Nossos Vídeos

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

Manchas amarelas de roupa guardada - Como remover?

 


Manchas em roupas guardadas por muito tempo podem ser uma verdadeira dor de cabeça para quem deseja manter suas peças em bom estado. Seja por umidade, mofo ou simplesmente pelo tempo de armazenamento, as manchas podem se tornar persistentes e difíceis de serem removidas. Felizmente, existem métodos eficazes para lidar com esse problema, e um deles envolve a combinação de água sanitária e açúcar.

Por que Água Sanitária e Açúcar?

A água sanitária é conhecida por sua capacidade de remover manchas e desinfetar tecidos, enquanto o açúcar atua como um agente abrasivo suave, auxiliando na remoção das manchas sem danificar as fibras do tecido. Juntos, esses ingredientes formam uma solução poderosa para lidar com manchas persistentes em roupas guardadas há muito tempo.

Passo a Passo para Remover Manchas de Roupas:

Materiais Necessários:1 litro de água sanitária
3 xícaras de chá de açúcar
Recipiente grande o suficiente para mergulhar a peça de roupa
Água para enxaguar a roupa após o tratamento
Tempo e paciência
(Dobre a receita caso a peça de roupa seja maior)


Instruções:


Preparação da Solução: Em um recipiente adequado, misture 1 litro de água sanitária com 3 xícaras de chá de açúcar. Certifique-se de que o açúcar esteja bem dissolvido na água sanitária, formando uma solução homogênea.


Identificação da Mancha: Antes de mergulhar a peça de roupa na solução, identifique a área afetada pela mancha e certifique-se de que o tecido seja seguro para ser tratado com água sanitária. Verifique também as instruções de lavagem da peça, para garantir que o método seja adequado.


Mergulho da Peça: Submerja a peça de roupa na solução preparada, garantindo que a área manchada fique completamente coberta. Certifique-se de manipular a peça com cuidado para evitar respingos e proteger suas mãos com luvas de borracha, pois a água sanitária pode ser corrosiva.


Monitoramento e Tempo de Molho: Deixe a peça de molho na solução por alguns minutos, monitorando de perto o processo. O tempo de molho pode variar de acordo com o tecido e a severidade da mancha. Pequenas manchas podem desaparecer em poucos minutos, enquanto manchas mais persistentes podem exigir um tempo de molho mais longo.


Enxágue e Secagem: Após remover as manchas desejadas, enxágue bem a peça de roupa em água corrente para remover qualquer resíduo da solução de água sanitária e açúcar. Em seguida, lave a peça normalmente com detergente suave e deixe-a secar ao ar livre. 

Considerações Finais: Este método pode ser eficaz para remover uma variedade de manchas em roupas guardadas há muito tempo, incluindo manchas de mofo, umidade e descoloração.
É importante testar a solução em uma pequena área discreta da peça de roupa antes de aplicá-la na mancha principal, especialmente em tecidos delicados ou coloridos, para evitar danos irreversíveis.
Caso a mancha persista após o tratamento inicial, é recomendável repetir o processo ou procurar orientação profissional para remoção de manchas específicas.

Com paciência e o método correto, é possível restaurar o aspecto de suas roupas e prolongar sua vida útil, mesmo depois de longos períodos de armazenamento. Experimente essa solução caseira e diga adeus às manchas indesejadas!

sábado, 6 de janeiro de 2024

Dr. Bactéria alerta sobre os 3 erros principais de higiene nas praias!

Férias merecidas e nada melhor que curtir um dia de sol na praia. Mas como resistir a tantos petiscos gostosos desde o camarão até uma inofensiva raspadinha vendidos por lá? Será que tem risco? Entenda como evitar as principais contaminações neste verão.

01- Lata de suco ou refrigerante:

As latinhas de bebidas e Leptospirose. Existe a bactéria Leptospira interrogans, causadora da doença, que pode sobreviver em ótimas condições, por 06 meses fora de seu hospedeiro, o rato.

Quando este roedor urinar sobre as latas , o que pode acontecer tendo em vista as práticas não muito adequadas de estocagem destes produtos, a bactéria fica na superfície. O contato da latinha contaminada com a mucosa bucal, e não é necessário um prévio corte no lábio ou a existência de uma cárie não bem cuidada, permite a penetração da bactéria ocasionando a Leptospirose. As manifestações iniciais são febre alta de início súbito, sensação de mal-estar, dor de cabeça constante e acentuada, dor muscular intensa, cansaço e calafrios. Dor abdominal, náuseas, vômitos e diarreia são frequentes, podendo levar à desidratação.

“Os cuidados, neste caso, seriam a prévia lavagem das latas com água corrente ou, então, o consumo com canudos (o que não dá para fazer com cervejas). Importante, devemos dar um nó nos canudos e amassar os copos descartáveis, pois ainda existe a prática do reaproveitamento desses materiais por parte de alguns ambulantes não idôneos”, explica o biomédico Roberto Martins Figueiredo, o querido Dr. Bactéria.


2 – Camarão:

O camarão é rico no aminoácido histidina que, ao ser deteriorado por bactérias, como no caso de refrigeração não adequada ou envelhecimento, pode dar origem à histamina, substância que pode levar a processos semelhantes à alergia com sudorese, aumento do calor e manchas avermelhadas no corpo (sobretudo costas e rosto), podendo levar até a problemas mais sérios como edema de glote. O tratamento seria a aplicação de antialérgicos.

Segundo o Dr. Bactéria, observe o camarão antes de fritar. Qualquer alteração ou dúvida, não coma. A casca do camarão deve sair inteira e facilmente. Se estiver grudada na carne, também não devemos ingerir.

3- Raspadinha:

Trata-se de gelo moído com xarope adocicado imitando a frutas, algumas vezes adicionado de leite condensado e castanhas picadas, chocolate granulado, paçoca de amendoim ou mesmo amendoim picado.

Temos que lembrar o seguinte:

Crianças são consideradas grupos de risco, pois apresentam baixa resistência. É obrigatório que o gelo direcionado para consumo humano seja produzido com água potável, como no caso daquele que compramos fechado e que vem na forma de cubo. O gelo vendido em barra, geralmente é direcionado somente para refrigeração e, como tal, muitas vezes não é obrigatório que seja produzido com água potável. Bactérias não morrem no congelamento, isto é, se a água utilizada estava contaminada, o gelo também vai estar.

De acordo com o biomédico, especialista em saúde pública, observe alguns itens antes de consumir a raspadinha:

-Condições de higiene do carrinho.
-Condições de higiene do manipulador.
-Condições de higiene do gelo (inclusive se ele está apoiado sobre um pano e qual a condição dele).
-Condições dos xaropes.
-Perguntar qual a procedência do gelo.
-O leite condensado não pode estar diretamente na lata, tem que estar num recipiente plástico tipo bisnaga, limpo.
-Observar também se não existe contato da mão do manipulador que empurrou o carrinho, pegou dinheiro, pegou vários objetos, por exemplo, com o produto que você está comprando.

“Pode não parecer, mas se você não observar todos estes itens o risco é muito grande. Aproveite a praia sem correr riscos de intoxicação”, finaliza Dr. Bactéria.