ASSISTA OS NOSSOS PROGRAMAS

terça-feira, 12 de abril de 2016

Tocha desvenda os mistérios do Norte

Por: Carolina Valadares

Amapá, Acre, Roraima e Rondônia serão os estados percorridos durante um trajeto de 10 mil milhas aéreas

Entre os dias 16 de junho e 22 de junho a tocha olímpica percorrerá quatro estados: Amapá, Acre, Roraima e Rondônia, sendo que em cada um deles pernoitará na capital. Devido as grandes distâncias percorridas nos estados da região Norte, a tocha viajará de avião, num trajeto de 10 mil milhas. Entre os locais inusitados que a chama deve visitar estão a linha que divide o hemisfério Norte e Sul no Macapá, uma comunidade Ribeirinha em Porto Velho chamada São Sebastião e até pela estrada de ferro Madeira-Mamoré, que foi construída por americanos e usada no transporte de borracha no passado.

No dia 16 a tocha estará em Macapá, capital do Amapá. A cidade tem como um de seus atrativos o Marco Zero, onde é possível colocar um pé em cada hemisfério – norte e sul. No centro, a Fortaleza de São José do Macapá, de 1782, exibe muralhas de 15 metros de altura erguidas para proteger o rio. Entre outras atrações por onde a tocha deve passar estão o balneário e APA da Fazendinha, APA do Curiaú e o Sambódromo.

O Amapá tem diversos outros locais para conhecer. Segundo a jornalista Valéria Feitoza, que morou no Macapá, a diversão preferida dos amapaenses nos finais de semana é ir para balneários, passar o dia e tomar banho nos igarapés e cachoeiras.

Do Macapá, a tocha segue para a capital de Roraima, Boa Vista, em 18 de junho, onde também pernoitará. Boa Vista possui uma orla agradável chamada Taumanã, às margens do Rio Branco, onde é possível provar a culinária local como a damurida - elaborada com caldo de peixe, tucupi e pimenta, a paçoca com banana - e fazer compras de artesanato. Estando em Roraima, aproveite para conhecer o Parque Nacional do Monte Roraima, cujo acesso é feito pela Venezuela e é tido como um local mágico com grandes paredões, cachoeiras, lagos, formações rochosas e espécies endêmicas da fauna e da flora.

De Boa Vista, a tocha segue para Rio Branco, no Acre, onde estará no dia 21 de junho. Na capital, o parque Ambiental Chico Mendes é um dos principais atrativos. O local inclui um zoológico, um museu da borracha, um parque que valoriza a cultura de ribeirinhos e a Casa do Artesão, com doces e artesanato de sementes. Para degustar a culinária acreana, o Mercado Velho serve pratos típicos.

O Palácio Rio Branco, o Memorial dos Autonomistas, o Calçadão da Gameleira, com bares e restaurantes e o Theatro Hélio Melo são importantes atrativos turísticos por onde a tocha vai passar.

No dia seguinte (22 de junho) a chama passa a noite em Porto Velho (Rondônia), onde a história está ligada à construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, hoje tombada como patrimônio cultural. Entre as atrações que a tocha deve visitar em Porto Velho estão a comunidade ribeirinha de São Sebastião, o centro histórico, e a estrada de ferro Madeira-Mamoré.

O turista que for a Porto Velho pode ver botos e contemplar a vegetação local em passeios de barco pelos rios da região. O Rio Guaporé é o principal cenário de pesca esportiva. Porto Velho propicia também contato com o artesanato do estado, com cestaria de palhas e fibras vegetais, peças de madeira, arcos, flechas, chocalhos e outros artefatos indígenas. À mesa, predominam os peixes: a caldeirada de tambaqui e o dourado na brasa são legítimos representantes da culinária local. Durante a passagem da tocha serão feitas manifestações culturais: de grupos folclóricos, tais como Quadrilha e Boi Bumbá.