ASSISTA OS NOSSOS PROGRAMAS

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Alunos da UFSCar participam de campanha de busca ativa de sintomáticos respiratórios para tuberculose

Graduandos em Enfermagem e Medicina realizam entre os dias 24 de fevereiro e 15 de março atendimentos de identificação e encaminhamento para exames nas unidades de pronto atendimento

A partir de hoje (24/2), até 15 de março, estudantes de Enfermagem e Medicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), sob orientação da professora do Departamento de Enfermagem (DEnf) Cássia Irene Spinelli Arantes, participam da 1ª Campanha Nacional de Busca Ativa de Sintomáticos Respiratórios para Tuberculose. A atividade visa localizar pessoas que apresentem os sintomas da tuberculose e encaminhá-las para realização de exames e tratamentos. A campanha é do Programa Nacional de Controle da Tuberculose do Ministério da Saúde, e prevê um conjunto de ações que incluem a busca ativa como estratégia de identificação de possíveis portadores da doença e o encaminhamento a exames médicos.

A tuberculose é provocada por bactérias, principalmente o Bacilo de Koch, e afeta os pulmões e outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges. Os principais sintomas da tuberculose pulmonar são tosse persistente por três semanas ou mais, seca ou com muco, e eventualmente sangue, febre vespertina, sudorese noturna e emagrecimento. A infecção ocorre a partir da inalação de gotículas contendo bacilos expelidos pela tosse, fala ou espirro do doente com tuberculose ativa de vias respiratórias.

Em São Carlos, a campanha é coordenada pelo Programa de Controle da Tuberculose da Secretaria Municipal de Saúde e ocorre em unidades de atenção básica à saúde e em serviços de pronto atendimento da cidade. Os estudantes da UFSCar vão auxiliar os profissionais da rede de saúde na identificação e encaminhamento a exames de sintomáticos respiratórios, ou seja, pessoas que apresentem os sintomas da tuberculose. Após a identificação dos sintomáticos respiratórios, é realizado o exame do escarro (baciloscopia) para verificar a presença do bacilo causador da doença. “Com essa atividade, que deve ocorrer duas vezes ao ano, objetiva-se intensificar as atividades de busca ativa dos casos de tuberculose para encaminhar os portadores ao tratamento e, assim, controlar a doença” afirma a professora Cássia.

De acordo com a docente, as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) recebem muitos casos de tuberculose e possuem um fluxo intenso de usuários. Durante a campanha, os bolsistas da UFSCar participam da campanha nas UPAs da Vila Prado e Cidade Aracy, em São Carlos. A professora Cássia explica que o processo de descentralização dos atendimentos para as unidades de atenção básica permitem a realização das primeiras consultas médicas e encaminhamentos para exames. “A aproximação das ações em saúde e os usuários rompe barreiras e possibilitam o diagnóstico precoce e o tratamento, pois os locais de atendimento ficam próximos à residência do usuário”, afirma a professora.

Na UFSCar, a professora Cássia coordena o projeto “Descentralização das Ações de Tuberculose e Hanseníase”, do Programa de Educação pelo Trabalho - Vigilância em Saúde (PET-VS). Promovido pelos Ministério da Saúde e Educação, o projeto foi iniciado em maio 2013, e prevê uma duração de dois anos. “O projeto está vinculado a um cenário de prática, que aproxima a Universidade do setor de saúde, contribuindo com os serviços”, afirma a docente. O grupo é formado por oito alunos de graduação dos cursos de Enfermagem e Medicina e dois preceptores, sob tutoria e coordenação da professora Cássia, e desenvolvem ações nas Unidades Saúde da Família do Jardim Gonzaga e do Jardim São Carlos. 

A professora da UFSCar salienta que o projeto beneficia os estudantes, professores e pesquisadores da Universidade e os profissionais da rede de saúde, pois existe uma troca de experiências e conhecimentos, além da aproximação com os usuários da rede pública de saúde. “Os bolsistas organizam rodas de conversa, com orientações sobre os sintomas, formas de tratamento, como evitar o contágio e também a busca ativa nos bairros, visitando as residências com os agentes comunitários e identificando os sintomáticos respiratórios”, conta a docente. 

Contato para essa pauta: Enzo Kuratomi Telefone: (16) 3351-8480 E-mail: enzo@ufscar.br