sábado, 3 de julho de 2010

Pesquisa divulgada pelo CISA revela consumo nocivo de álcool entre jogadores profissionais

Estudo australiano, divulgado recentemente pelo CISA - Centro de Informações sobre Saúde e Álcool, organização não governamental que se destaca como uma das principais fontes no País sobre o tema, revela que jogadores profissionais de rúgbi da Austrália apresentaram um nível de consumo de bebidas alcoólicas superior ao de indivíduos da mesma faixa etária da população geral do país. A primeira grande investigação sobre o uso de álcool e suas consequências negativas entre atletas profissionais de elite aponta, ainda, um elevado consumo de alto risco nos períodos sem jogos.
Participaram da pesquisa 582 jogadores profissionais da Liga Australiana de Rúgbi (66% com idade inferior a 25 anos e 88% solteiros), que responderam a um questionário sobre a quantidade e a frequência do uso de álcool, nos períodos de pré-temporada, temporada de jogos, pós-temporada e férias. Além disso, eles também preencheram o questionário AUDIT (Alcohol Use Disorders Identification Test), utilizado para a identificação de problemas relacionados ao uso de álcool.
Independentemente da época avaliada, a proporção de jogadores que reportaram o uso de álcool de alto risco ao menos uma vez por mês (entre 51% e 88% dos atletas) foi maior do que a proporção desse mesmo padrão de consumo observada entre adultos australianos entre 20 e 29 anos (44%), conforme apontam os resultados abaixo:

Consumo:

Pré-Temporada - 71%
Temporada - 51%
Pós-Temporada 88%
Férias - 79%
Em todos os casos, atletas relataram o consumo de, pelo menos, sete doses-padrão* de bebida alcoólica em um determinado dia, ao menos uma vez por mês

Outro resultado indica que jogadores que afirmaram beber em ambientes públicos possuem um risco 1,55 vezes maior de relatarem o consumo de alto risco para a ocorrência de consequências negativas em curto prazo relacionadas ao uso de álcool (por exemplo, acidentes de trânsito e outras lesões) quando comparados àqueles que bebiam em ambientes privados.
Referente ao questionário AUDIT, 59% dos atletas tiveram pontuações maiores do que 7, limite usualmente utilizado para diferenciar pessoas que não apresentam problemas com o uso de álcool (0-7 pontos) daquelas que potencialmente têm problemas com o uso desta substância (8-40 pontos). O destaque é que a média de pontuação obtida no AUDIT por jogadores casados (6,11) foi 2,08 pontos menor do que a de profissionais solteiros (8,19).

*Uma dose-padrão australiana de bebida alcoólica contém, aproximadamente, 10g de álcool puro (o que seria equivalente a 350 ml de cerveja, 150 ml de vinho ou 50 ml de destilado)


Título: Drinking by professional Australian Football League (AFL) players: prevalence and correlates of risk
Autores: Dietze PM, Fitzgerald JL, Jenkinson RA
Fonte: MJA 2008; 189: 479-483


Sobre o CISA
O Centro de Informações sobre Saúde e Álcool - CISA, organização não governamental lançada em 2004 pelo psiquiatra e especialista em dependência química Arthur Guerra de Andrade, é hoje a maior fonte de informações no País sobre o binômio álcool e saúde. Por meio de seu website (www.cisa.org.br), o CISA dispõe de um banco de dados com mais de 1.600 títulos, desde publicações científicas reconhecidas nacional e internacionalmente, dados oficiais, até notícias publicadas em jornais e revistas destinados ao público em geral. Além de estar comprometido com o avanço do conhecimento na área de saúde e álcool, o Centro também atua na prevenção do abuso e nos problemas do uso indevido da substância, por meio de parcerias e elaboração de materiais de apoio a pais e educadores.