ASSISTA OS NOSSOS PROGRAMAS

quarta-feira, 3 de março de 2010

Profissionais do Hospital Amaral Carvalho de Jaú participam de projeto em parceria com a USP de São Carlos


Há cerca de dois anos, membros do Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica (Cepof) do Instituto de Física da USP de São Carlos, trabalham no desenvolvimento de projeto relacionado à técnica de PDT (PhotoDinamic Therapy, em português Terapia Fotodinâmica).
Com surgimento nos Estados Unidos na década de 70, a Terapia Fotodinâmica Tópica utiliza-se de uma droga fotossensibilizante - Ácido Amino Levulínico (ALA), que aplicada em lesões de câncer de pele ou pré-cancerígenas, e ao ser iluminada com determinado comprimento de onda, provoca uma reação no tecido neoplásico resultando na sua destruição (VEJA QUADRO). Esta terapia é uma opção menos agressiva para o tratamento de cânceres de pele iniciais e ocupa um espaço cada vez mais ativo na dermatologia.
O Grupo de Óptica da USP, coordenado pelo professor Vanderlei Salvador Bagnato, desenvolveu um aparelho portátil e de baixo custo, capaz de realizar o diagnóstico da lesão maligna através da luz e o tratamento pela terapia fotodinâmica tópica.
Foram convidados para participar deste projeto, a médica dermatologista do Hospital Amaral Carvalho, Ana Gabriela Sálvio e o cirurgião plástico, Ary Assumpção Junior, também do HAC. Os profissionais colaboraram com a avaliação dos protótipos, indicação de ajustes e desenvolvimento do tratamento dos indivíduos. Segundo a doutora Ana Gabriela, a utilização deste aparelho possibilita rapidez e garante melhores resultados.
É importante ressaltar que a Terapia Fotodinâmica Tópica não é indicada para o tratamento do melanoma, que é uma forma mais agressiva do câncer de pele, devido as diferentes propriedades deste tipo de tumor.

Melhorias
Nos anos 60, com o Tratamento Fotodinâmico não-tópico, o ácido era administrado através de injeções e o paciente tinha que ficar por uma semana em um quarto escuro, longe da luz solar e doméstica, para que não sofresse queimaduras na pele e nos olhos. Atualmente, a recuperação do Tratamento Terapêutico de Fotodinâmica Tópico dura de sete a dez dias - tempo necessário para que a vermelhidão e inchaço desapareçam. Contudo, o paciente só precisa proteger a área tratada por 48 horas após a aplicação do ácido.