ASSISTA OS NOSSOS PROGRAMAS

terça-feira, 16 de março de 2010

Descolamento de retina pode cegar e é mais comum do que parece

Há casos de pacientes que estão desenvolvendo o descolamento de retina e não percebem, porque não apresenta sintomas. Mas o tratamento rápido e correto pode evitar que o problema se agrave em 75% dos portadores de descolamento.

Mais comuns do que se pensa, os casos de descolamento de retina são frequentes em clínicas oftalmológicas e, às vezes, são descobertos só na hora do check up, porque o paciente está desenvolvendo o processo e não percebe.

O descolamento de retina é um dos sérios problemas que afetam a visão e leva à perda total da capacidade de enxergar quando não tratado em tempo e adequadamente. O alerta é do oftalmologista Sérgio Kniggendorf, especialista da área no Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB).

A retina é o tecido que capta a imagem como um papel de parede que reveste o olho internamente. Quando se solta, acontece o descolamento. E este processo é muito rápido, em questão de horas se consolida. "O tratamento não pode esperar", explica Kniggendorf.

Sinais - Quando o descolamento é pequeno, às vezes, não apresenta os sintomas naturais que são a percepção de um flash de luz e a presença de moscas volantes ou pontinhos pretos que ilustram o processo por que passa o vítreo, uma espécie de gel que preenche o olho e puxa a retina quando se descola. "Esta é a hora de tratar para obter o melhor resultado", aconselha o médico.

Quando o descolamento já aconteceu, o sintoma é outro, uma mancha preta é percebia e vai aumentando rapidamente como se baixasse uma cortina. Diminui o campo de visão e isso pode acontecer em pouco tempo.

Imediato - Diante de quaisquer desses sinais, a orientação de Sérgio Kniggendorf é procurar um oftalmologista imediatamente, porque a aplicação de laser, que é profilática, pode já não ser suficiente e fazer-se necessária uma cirurgia emergencial para preservar a visão.

Há diferentes tipos de descolamento e para cada um, o tratamento específico.

O descolamento simples é causado por uma rasgadura, um buraco na retina;
O descolamento tracional é relacionado a outras disfunções do organismo como a diabetes, a trombose e as doenças vasculares;
O descolamento inflamatório é o que se relaciona às doenças imunológicas, reumatológicas ou tumores que acometem os olhos.

Míopes - O descolamento simples é o mais frequente é também o causado por traumas e lesões, mas é observado, e não raramente, em pacientes míopes. Essa é a razão por que Kniggendorf aconselha a todo o míope realizar o mapeamento de retina a cada check up. "Esse exame pode detectar uma lesão precursora e o tratamento ser feito logo, evitando o agravamento do problema", relata.

De acordo com o médico do HOB, em cada cem pacientes de descolamento simples, se todos tivessem feito tratamento profilático, 75% estariam livres do descolamento que exige procedimentos mais complexos como as cirurgias. O tratamento profilático, segundo Kniggendorf, é a aplicação do laser quando a lesão ainda é periférica.

Mapeamento - Além dos míopes, devem ter o hábito de fazer o mapeamento de retina, no check up, pessoas com histórico familiar de descolamento de retina, aqueles que já tiverem diagnóstico de descolamento em um dos olhos e todos os portadores de doenças vasculares.

Quanto aos traumas - boladas, cotoveladas -, o médico diz que podem desencadear um descolamento principalmente quando há uma lesão retiniana periférica e não acelerar um descolamento.