ASSISTA OS NOSSOS PROGRAMAS

terça-feira, 16 de março de 2010

Cinema Brasileiro pretende exportar R$ 120 milhões até 2011

Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos define sete mercados-alvo internacionais para a exportação de produções nacionais.

Cada vez mais reconhecida no mercado mundial de produções audiovisuais, a indústria do cinema brasileiro já tem metas para aumentar sua presença no mundo. A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e o Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo (Siaesp) anunciaram, hoje, em São Paulo, a renovação do Programa Cinema do Brasil, com investimentos de R$ 8,45 milhões, até 2011, para ampliar e consolidar o processo de internacionalização da indústria audiovisual brasileira e sua inserção em mercados internacionais.
Para que isso ocorra, o programa investirá em ações voltadas para a participação de produtoras e agentes de vendas brasileiros em eventos internacionais para gerar e ampliar a rede de contatos, facilitando acordos de coproduções e contribuindo para promover a imagem do cinema brasileiro no exterior.
O projeto também conta com a parceria do Ministério da Cultura, através da Secretaria do Audiovisual, e do Ministério das Relações Exteriores.
Atualmente, são beneficiadas pelo programa 150 produtoras de diversos estados do Brasil: Rio de Janeiro, Distrito Federal, São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais.
Entre as ações planejadas para o Programa Cinema do Brasil no biênio 2010/2011, estão a participação de produtores nacionais em mercados como os de Cannes, Miami, Ventana Sur e Berlim. Além disso, estão programados encontros com produtores canadenses e espanhóis, bem como a vinda de compradores dos mercados-alvo escolhidos pelo projeto para encontros de negócios na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e no Festival de Gramado. Estão previstos também incentivos na ordem de R$ 400 mil para subsidiar o lançamento de 20 filmes brasileiros no exterior.
Mercados-alvo
A equipe de inteligência comercial da Apex-Brasil, em parceria com o Siaesp e alguns empresários do setor, definiu sete mercados internacionais para atuar na promoção comercial da nossa produção cinematográfica: França, Alemanha, Espanha, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Argentina.
Como resultados do projeto, já foram realizadas coproduções com França, Inglaterra, Portugal, Espanha, Alemanha, Itália, Canadá, Chile, Colômbia e México. No ano passado o programa apoiou o lançamento de filmes reconhecidos como: Estômago, Era uma Vez, Divã, Antônia e Durval Discos.
Produções premiadas
Nos últimos anos, algumas produções que tiveram o suporte do Programa Cinema do Brasil foram premiadas: O ano em que meus pais saíram de férias; A Casa de Alice; É Proibido Fumar; Linha de Passe; Cinema, Aspirinas e Urubus; Os Famosos e os Duendes da Morte; Terra Vermelha; Mutum; Estômago; Lixo Extraordinário, À Deriva.
O presidente da Apex-Brasil, Alessandro Teixeira, acredita que a presença de filmes brasileiros no mundo ajuda a melhorar a imagem do país. "Quando vamos ao exterior vender nossos bens e serviços, precisamos ir com nossa imagem reforçada. A qualidade dos filmes tem crescido e ajudam o posicionamento da imagem do Brasil. Com o talento dos brasileiros, vamos tornar nosso cinema uma referência mundial", afirma Teixeira.
Em julho de 2009, a Apex-Brasil realizou uma pesquisa em que constatou que das 145 empresas então participantes do projeto Cinema do Brasil, 73 já haviam realizado negócios com outros países. O novo convênio para o biênio 2010/2011 inicia com a adesão de 150 empresas, das quais 20 participaram do último Festival de Cinema de Berlim, que contou com seis filmes nacionais na competição.
O presidente do Programa Cinema do Brasil, André Sturm, acredita que os novos investimentos poderão aumentar o número de produções brasileiras no exterior. "O apoio da Apex-Brasil é fundamental para a continuação da internacionalização do cinema brasileiro e mostra o reconhecimento da agência ao trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Programa Cinema do Brasil", afirma Sturm.