ASSISTA OS NOSSOS PROGRAMAS

domingo, 25 de outubro de 2009

FILME REÚNE ATORES GLOBAIS E DISCUTE RELIGIÃO NA 33ª mostra Internacional de cinema



“Um Homem Qualquer”
Uma tragicomédia metropolitana que discute o que realmente importa,
o que não importa, e o que é relativo.

Com
Carlos Vereza
Eriberto Leão
Nanda Costa
Pedro Neschling
Norival Rizzo



Música tema “Eu Não Existo Sem Você” de Tom Jobim
e Vinícius de Moraes interpretada por Teresa Cristina

“Um Homem Qualquer” convida a uma reflexão contemporânea e amorosa sobre a busca por um sentido na vida. Seu ponto de partida são os percalços existenciais do homem urbano, anônimo e solitário.
Jonas (Eriberto Leão) personifica o homem oprimido pela modernidade: a violência, o trânsito, o desemprego e ausência de horizontes são o seu cotidiano.
O cenário que ajuda a contar esta história é a cidade de São Paulo. A paisagem caótica da megalópole revela a condição interna de Jonas: um território de carências, um ambiente em desequilíbrio, uma terra de ninguém; mas onde encontros improváveis podem acontecer.
É assim, na rua, que ele conhece sua namorada, uma jovem aspirante a atriz, Lia (Nanda Costa). Foi também na rua que encontrou seu companheiro de apartamento, Tico (Norival Rizzo), um homem rústico e com ideologia de esquerda dos anos 60.
Afogado em seus questionamentos, Jonas escuta os depoimentos de Isidoro (Carlos Vereza), um ex-psiquiatra que se tornou morador de rua e que, em sua ironia, desconstroi a busca de uma verdade absoluta e mostra a Jonas que nem um amor e nem dinheiro são garantias de felicidade.

“Eu acho Jesus do c.... Mas e a Igreja?
Será que Cristo concordaria com ela?”
(Jonas)

Fique sabendo

• “Um Homem Qualquer” é o primeiro longa do curtametragista Caio Vecchio.

• Trata-se de um projeto de R$ 1,6 milhão que contou com um elenco de 300 pessoas entre nomes consagrados e figurantes. A equipe técnica foi composta por 50 profissionais entre titulares e assistentes.

• Para realizar este trabalho, Carlos Vereza teve total liberdade para construir o texto de seu personagem, Isidoro. Esta ação modificou muito o que estava previsto inicialmente para o personagem.

• Nanda Costa foi convidada a participar do filme num telefonema que recebeu de madrugada, enquanto estava em Paraty. Não só ela foi convidada de madrugada, como estaria na manhã seguinte incorporando seu papel numa forte cena de sexo.

• A produção do filme convidou os atores do movimento de teatro da Praça Roosevelt para compor os personagens de moradores de rua.

“Emprego não! Tem que ter outro jeito!”
(Jonas)
Locações

Grande parte do filme foi rodada no centro de São Paulo, concentrando as cenas no Largo do Paissandu, Largo Santa Cecília e Praça da Sé.

Os apartamentos dos personagens Jonas e Igor foram cuidadosamente escolhidos pela produção, de acordo com as personalidades de cada protagonista. Enquanto Igor mora na Bela Vista, num edifício assinado pelo polêmico Artacho Jurado (um empreiteiro praticamente banido pelos arquitetos formais), o prédio de Jonas é localizado em Higienópolis, e foi projetado pelo conceituado arquiteto Vilanova Artigas.

Como licença poética do filme, um prédio foi colocado à frente do outro, graças à combinação de um imenso painel produzido em gigantografia, com tomadas realizadas em estúdio. Em “Um Homem Qualquer”, Bela Vista e Higienópolis se encontram.

“Eu não paguei o primeiro mês, eles não cortaram a luz. Eu não paguei o segundo mês, eles não cortaram. Eu achei que eles não iam perceber.”
(Jonas)


Entrevista com o diretor

Como surgiu a ideia de “Um Homem Qualquer”?
Caio - O roteiro vem sendo escrito desde 1999, numa época em que eu tinha um ódio mortal contra os EUA e a Igreja. O filme era uma espécie de resposta vingativa e imatura dentro de uma tese onde os imperialistas e a Igreja eram os culpados de nossos fracassos como povo e como indivíduos.
Mas com o passar dos anos fui amadurecendo e percebi que o poder de transformação estava dentro de nós e não adiantava culpar os outros. Por isso troquei o personagem do empresário americano por um francês... e fiz um profeta que não acusa diretamente a Igreja. O roteiro foi deixando de ser uma vingança para se tornar uma história de esperança.

O que o motivou a fazer este filme?
Caio - É um filme autoral. Muitas das situações aconteceram comigo e percebi que eram questionamentos comuns para jovens metropolitanos e que se acham sem saída na selva das grandes cidades. Tentei transferir para Jonas essa sensação de "ter que dar certo", essa cobrança social e de nós mesmos para nos enquadrarmos a um sistema que muitas vezes vai de encontro aos nossos sonhos. Tentei criar um clima meio sufocante... sem saída. O sequestro parece que é uma opção, o amor parece que irá libertá-lo... mas a possibilidade de liberdade não está fora de ninguém. É preciso achar o caminho para atingi-la dentro de nós mesmos. E Jonas não encontra esse caminho. Mas ele percebe que o caminho existe e termina o filme dando os primeiros passos.

“Egoísta é você. Eu sou egocêntrico. É bem diferente!”.
(Jonas)

Que tipo de situação realmente aconteceu com você?
Caio - A cena do assalto, por exemplo, onde os dois protagonistas são presos. Foi inclusive a inspiração inicial do filme. Eu havia acabado de voltar de uma viagem longa, de pouco mais de um ano pelo Nordeste e Centro-Oeste e estava cabeludo, meio maltrapilho. Eu me deparei com aquela cena absurda: um trombadinha rouba um carrinho, foge e é preso por policiais. Como a Lia, personagem da Nanda Costa, eu questionei os policiais, gritei e argumentei. Quando eu vi que seria preso, eu lembrei que estava sem documentos e começou a ideia de um curtametragem. Abaixei o meu tom de voz e contornei a situação, mas começou ali o embrião do que mais tarde se tornaria o “Um Homem Qualquer”.

Como foi a escolha de elenco?
Caio – Apesar de ter alguns nomes na cabeça, não abrimos mão dos testes de elenco. No meu íntimo torcia muito pelo Eriberto, porque já tinha visto algumas entrevistas dele, e sabia que seus pensamentos se alinhavam com o enredo do filme. Temas sobre a Bíblia, Jesus e a busca do homem pela felicidade através da verdade foram recorrentes nas conversas por telefone com Eriberto Leão após ele ter lido o roteiro. E após ele ter feito o teste, a equipe foi unânime: tinha que ser ele.
Eriberto também comentou sobre o filme com o Vereza, que se interessou bastante pelo projeto ao saber do teor místico do roteiro. Ele na verdade foi o único que não participou de testes. Ele fez uma leitura do roteiro conosco, onde fomos dominados como que por mágica. Já tínhamos resolvido Jonas e Isidoro, que para mim era o mais difícil, porque corria o risco dele virar um profeta dono da verdade... ainda bem que não foi isso que aconteceu!
Já a Nanda Costa se sobressaiu nos ensaios, quando liguei para ela de madrugada, foi uma comoção geral. Ela estava em Paraty, e pegou um ônibus para São Paulo imediatamente, pois começamos a rodar naquela mesma manhã. Ela já começou de corpo e alma mesmo no filme. Sua primeira cena foi de nudez, simples e difícil.

“Qual a origem do homem? Tesão!”
(Isidoro)

Como foi a escolha das locações?
Caio – Fizemos a escolha pelo centro de São Paulo, que tem muito a ver com o sentimento do filme. Um dos apartamentos foi construído em um estúdio próximo ao metrô São Judas. Houve uma curiosidade: fizemos uma foto imensa em gigantografia (processo utilizado na produção de outdoors) de um prédio do arquiteto Artacho Jurado, e a colocamos no estúdio, como se este prédio estivesse em frente ao apartamento de Jonas. Este, por sua vez, é um prédio do arquiteto Violanova Artigas, paranaense de extrema importância para a identidade da cidade de São Paulo. Trabalhamos a cidade de São Paulo como se ela própria fosse um personagem do filme, o que de certa forma é mesmo.
Já a locação do abrigo é uma antiga fabriqueta de reciclagem de lixo que eu já conhecia e percebi que se encaixava perfeitamente para transformá-la em um abrigo de mendigos. Era um momento delicado no roteiro, uma vez que sairíamos de locações urbanas em São Paulo e levaríamos o espectador para o campo. Isso gerou uma alteração de cor, luz, e também de narrativa. A história tem uma mudança abrupta e a veracidade dessa locação era muito importante para que não causasse muito estranhamento.

Quais foram as maiores dificuldades?
Caio - As maiores dificuldades durante as filmagens aconteceram
no dia em que fizemos a cena com o carro de polícia. Os policiais de verdade apareceram achando que pudéssemos ser do PCC. Chegaram 4 viaturas, 6 motos e até um helicóptero. Foi um desespero. Temos o registro no making of.

Quais foram os maiores prazeres e surpresas durante as filmagens?
Caio - Às vezes quando nos lembramos dos problemas que tivemos durante as filmagens, chegamos a dar risada. Os problemas na verdade eram mínimos. A equipe toda maravilhosa e em harmonia. Mesclamos profissionais experientes com jovens que ambicionavam subir degraus na escalada hierárquica: um assistente de produção virou produtor de set, um produtor de set virou diretor de produção e assim por diante. Muitas pessoas já vinham exercendo as funções em curtasmetragens e pela primeira vez trabalhavam em um longa. A surpresa foi que montamos um bom time, e o próprio time não aceitava quem não estivesse nos mesmos padrões de envolvimento com o projeto.
O dinheiro era pouco e o prazo também. Parecia que não iríamos conseguir. Quando acabamos as gravações, efetuamos os pagamentos e a conta ficou zerada. Este foi o melhor momento do filme. Meu medo era que estourássemos o orçamento.


“Quer dizer que eu não posso mais namorar só por causa de um sequestro?”
(Jonas)


Como você definiria o seu filme?
Caio – Eu diria que é a história de buscas e descobertas de um homem aparentemente comum, mas que acompanhado de perto toma contornos muito particulares. Através das contestações de Jonas – que há muito deixou de ser adolescente – passamos a reavaliar os valores e poderes que regem a sociedade. O dinheiro, a Igreja, a violência e até mesmo o amor muitas vezes se alternam no posto de "poder absoluto", mas quando se busca uma resposta definitiva na vida, nenhum deles parece ter a solução.
É muito importante também a presença da namorada de Jonas, Lia, uma jovem estudante de teatro para a qual a vida é apenas uma experiência, um grande palco, com todos desempenhando papéis sem conhecer a si mesmos. Por outro lado, o amigo Igor compartilha dessa visão de mundo, e é ainda mais destacado do contato real com outros seres. Para ele, a vida real é algo que se observa pela janela, numa luneta, pelo fio do telefone. E temos ainda Tico, o amigo idealista de Jonas, que aprendeu frases e táticas de guerrilha nos anos 60, mas que não sabe mais aplicá-las no mundo atual, onde o cinismo parece dominar a todos.
Tico e Jonas pensam num seqüestro como forma de ganhar a vida. Passar de oprimidos para opressores. Não é a toa que o alvo escolhido é um estrangeiro, como se vestissem a dignidade de vingadores do terceiro mundo para justificar seus próprios interesses.
Já Lia procura vestir-se como um novo personagem para encontrar a ordem em sua vida. E já que toda a ordem parece ser relativa, que personagem melhor do que aquele que está à margem de tudo, o morador de rua? Em seu laboratório, Lia observa pessoas aparentemente sem sonhos e sem perspectivas, que podem dar a ela a base para uma grande interpretação.
É pelas buscas, encontros e desencontros desses personagens que percebemos a fragilidade de nossas convicções, num filme que discute temas delicados, sutis e essenciais, e que não se restringem à realidade brasileira, e sim ao ser humano como um todo.
Eu diria que o filme é uma tragicomédia metropolitana. Um filme que resgata ideologias e utopias e as coloca em choque com os valores atuais. Um filme que discute o que realmente importa, o que não importa e o que é relativo.

Elenco

ERIBERTO LEÃO é Jonas, um homem aparentemente comum, mas que acompanhado de perto toma contornos muito particulares.
No cinema fez o filme “Onde Andará Dulce Veiga?”, e “O Intruso”. Participou de algumas novelas que o tornaram conhecido do público. Entre elas, estão: “Cabocla”, “Sinhá Moça”, “Duas Caras” e recentemente “Paraíso”.

CARLOS VEREZA é Isidoro. Já que toda a ordem parece ser relativa, que personagem melhor do que aquele que está à margem de tudo, o morador de rua?
Começou no cinema em 1969 em “Bravo Guerreiro”. Participou dos longas: “O Descarte”, “Memórias do Cárcere”, “O Primeiro Dia”, “As Três Marias”, “Brasília 18%” e “Bezerra de Menezes: O Diário de Um Espírito”. Na televisão sua presença é constante nas novelas da Globo, sendo sua mais recente “Paraíso”.

NANDA COSTA é Lia, uma jovem estudante de teatro para a qual a vida é apenas uma experiência, um grande palco,
Fernanda Costa Campos Cotote estreou na TV em 2006, na novela Cobras & Lagartos, da Rede Globo. Em 2008, interpretou Dolores Duran, no programa especial da mesma emissora, “Por Toda Minha Vida”. Também participou da série “ Ó Pai, ó”. No cinema, esteve nos filmes: “ Bezerra de Menezes: O Diário de Um Espírito”, “Carmo” e “Sexo com Amor?”.

NORIVAL RIZZO é Tico, o amigo idealista de Jonas, que aprendeu frases e táticas de guerrilha nos anos 60, mas que não sabe mais aplicá-las no mundo atual.
Ator com mais de 30 anos de carreira, sua atuação pôde ser vista recentemente em: “Fim da Linha”, “Nome Próprio” e “Carmo”. Na década de 90 participou dos filmes “Céu de Estrelas” e “Opressão” . Presença forte no teatro nacional, recebeu o prêmio Shell e também da APCA de melhor ator em 2005 pelo espetáculo "Oração para um Pé de Chinelo".

ANTÔNIO PETRIN é Turco
Ator que começou na televisão na década de 60, participou de novelas da Globo, SBT, Manchete e Band. No cinema, participou dos filmes :"O Jogo da Vida", "A Árvore dos Sexos", "O Beijo da Mulher Aranha", "Os Bons Tempos Voltaram", "Quem Matou Pixote?", "Até Que a Morte Nos Separe", "O Sonho no Coração do Abacate" , "Através da Janela", "Sonhos Tropicais", "Veias e Vinhos" e "Bodas de Papel".

PEDRO NESCHILING é Igor
No cinema estreou em 2000 dirigindo, produzindo e roteirizando seu curta “Vou Zoar Até Morrer”. Logo depois foi roteirista, assistente de direção e produção do longa “Timor Lorosae – O Massacre que o Mundo não Viu”. Atuou nos longas “Um Lobisomem na Amazônia”, de Ivan Cardoso e “O Diário de Tati” de Mauro Farias.

TECA PEREIRA é Irinei
No cinema atuou em “Fim da Linha”, “Domésticas”, “Flores Ímpares”, “Festa”. Na televisão participou das novelas “Duas Caras” e “Belíssima”, além das séries “Carandiru, Outras Histórias” e “Por Toda Minha Vida”.

LUCIANO QUIRINO é o Segurança
Fez o personagem Nilson no longa “ A Casa de Alice” de Chico Teixeira, também esteve em “Carandiru”, “Domésticas”, “Boleiros”, “Cabra Cega”. Em 2008 viveu Otelo no teatro ao lado de Diogo Vilela. Também faz parte do elenco do seriado “9mm São Paulo”.

LULU PAVARIM é a Sra. Ramos
No cinema, esteve em “Terra Estrangeira”, “Copacabana” e “Por De trás Do Pano”. Na televisão, participou de novelas da Rede Globo e SBT, entre elas: “Laços de Família” e “Deus Nos Acuda”.

ARIÊTA CORREA é Clarissa
A atriz estrelou o longa “Otávio e as Letras” em 2007. Participou da série da TV Globo “Tudo Novo de Novo”, esteve nas novelas “O Rei do Gado” e “A Casa das Sete Mulheres”. No teatro, participou de mais de 20 montagens, destacando “O Avarento” e “Não Sobre o Amor”.

Equipe

Caio Vecchio – Roteiro e Direção
“Um Homem Qualquer” é o primeiro longa de Caio Vecchio, realizador de cinco curtas: “Nervos de Aço”, “Do Mundo Não Se Leva Nada”, “Metástase”, “Keró” e “Amor de Mula”. Também dirigiu o documentário “Catástrofe de Caraguá”. Participou da produção dos filmes: “Cronicamente Inviável” de Sérgio Bianchi e “Estórias de Trancoso” de Augusto Sevá.


Toni Domingues – Produção Executiva
Toni esteve presente na produção dos premiados “De Passagem”, “Uma Vida Em Segredo”, “Onde Andará Dulce Veiga?” e “Rua Seis, Sem Número”. Também está na produção do ainda inédito “400contra1 – A História do Comando Vermelho”.

Carlos Ebert , ABC– Direção de Fotografia
Carlos Ebert, no fim da década de 60, foi câmera e co-diretor de fotografia de “O Bandido Da Luz Vermelha”. Depois foi responsável pela fotografia de “Viagem ao Fim do Mundo”, “Elas”, “Sou Louca Por Você”, “Nem Tudo É Verdade”, “Fé”, “Carrego Comigo”, “Rua Seis, Sem Número”, “À Margem da Imagem” e “Dia de Graça”.

Teresa Cristina – intérprete da música tema
No filme, Teresa Cristina interpreta o clássico “Eu Não Existo Sem Você” de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. Seu primeiro CD, “A Música de Paulinho da Viola”, lhe rendeu os prêmios Rival BR e TIM de Música, além da indicação ao Grammy Latino de melhor disco de samba em 2003 e a total aprovação da crítica.

Letra da música tema do filme interpretada por Teresa Cristina

Eu Não Existo Sem Você
Tom Jobim
Composição: Antonio Carlos Jobim / Vinicius de Moraes
Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo levará você de mim
Eu sei e você sabe que a distância não existe
Que todo grande amor
Só é bem grande se for triste
Por isso, meu amor
Não tenha medo de sofrer
Que todos os caminhos me encaminham pra você

Assim como o oceano
Só é belo com luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer
Assim como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
E eu não existo sem você

“Quando os chineses dominarem o mundo, vamos sentir saudades dos americanos”.



*
*
*
Publicidade:
Produtos e preços sujeitos à alteração de acordo com disponibilidade no estoque